IHAC IHAC

Comissão do Hospital Amigo da Criança

Iniciativa Hospital Amigo da Criança

A Iniciativa Hospital Amigo da Criança (IHAC) foi idealizada em 1990 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela UNICEF para promover, proteger e apoiar o aleitamento materno.O objetivo é mobilizar os funcionários dos estabelecimentos de saúde para que mudem condutas e rotinas responsáveis pelos elevados índices de desmame precoce. No Hospital Universitário Dr. Miguel Ret Corrêa Jr., a IHAC foi implementada em 2002 para oferecer às usuárias todo apoio ao aleitamento materno preconizado mundialmente pela IHAC.

A Iniciativa soma-se a esforços do Programa Nacional de Incentivo ao Aleitamento Materno (PNIAM/MS), coordenado pelo Ministério da Saúde para:

informar profissionais de saúde e o público em geral;
trabalhar pela adoção de leis que protejam o trabalho da mulher que está amamentando;
apoiar rotinas de serviços que promovam o aleitamento materno;
combater a livre propaganda de leites artificiais para bebês, bem como bicos, chupetas e mamadeiras.

O HU-FURG segue:

PORTARIA Nº 80, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011
Normas para o processo de habilitação de Hospital Amigo da Criança (IHAC) integrante do Sistema Único de Saúde (SUS).

PORTARIA Nº930, DE 11 DE MAIO DE 2012
Define as diretrizes e objetivos para a organização da Atenção integral e humanizada ao recém-nascido grave ou potencialmente grave e os critérios de classificação e habilitação de leitos de unidade neonatal no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

PORTARIA Nº 1.153, DE 22 DE MAIO DE 2014
Redefine os critérios de habilitação da Iniciativa Hospital Amigo da criança (IHAC), como estratégia de promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno e à saúde integral da criança e da mulher, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

PORTARIA Nº 371, DE 07 DE MAIODE 2014
Institui diretrizes para organização de atenção integral e humanizada ao recém nascido (RN) no Sistema Único de Saúde (SUS).

10 PASSOS PARA O SUCESSO DA AMAMENTAÇÃO PARA QUE   TODOS SAIBAM E PARA QUE TODOS REALIZEM:

  1. A Maternidade do HU-FURG possui um regulamento de incentivo, proteção e apoio ao Aleitamento Materno.
  2. Todos os nossos funcionários estão capacitados para ajudar as mães na Amamentação.
  3. Nossa equipe está preparada para orientar as gestantes durante o pré-natal, sobre as vantagens do aleitamento e sobre como dar o peito.
  4. A mãe poderá ficar com seu bebê ainda na sala de parto, para os primeiros contatos e tentativa da primeira mamada, se tudo estiver bem com ambos. Será orientada a reconhecer os sinais de fome de seu bebê e receberá ajuda se necessário.
  5. É possível manter a produção de leite mesmo que o bebê precise de cuidados especiais e esteja internado na Unidade Neonatal. Procure o Banco de Leite Humano do HU-FURG.
  6. Não deverá ser oferecido ao bebê nenhum outro alimento ou bebida além de leite materno, sem indicação médica precisa.
  7. A mãe e o bebê, estando sem problemas, têm o direito de permanecerem juntos no Alojamento Conjunto, 24 horas por dia.
  8. A mãe será orientada a dar o seio sempre que o bebê quiser, sem horários (LIVRE DEMANDA). Se ele dormir muito tempo e as mamas estiverem muito cheias, é possível tentar acordá-lo para mamar ou também esvaziar um pouco as mamas (ORDENHA MANUAL).
  9. O bebê que mama no peito não necessita de chupetas, mamadeiras, chuquinhas ou bicos, que podem levar ao desmame precoce.
  10. Após a alta, as mães contam com o apoio dos Grupos oferecidos segundas, quartas e sextas as 15h na sala de apoio ao AM no terceiro piso pela equipe materno infantil e/ou BLH bem como com as Unidades Básicas de Saúde da Região.

NORMAS

Todas as gestantes deverão ser orientadas e capacitadas pela equipe materno infantil do HU/FURG no Ambulatório de Alto Risco e/ou gestantes internadas, sobre Aleitamento Materno, nos seguintes aspectos:

  • Benefícios da amamentação para a mãe, criança e família;
  • Consequências do desmame precoce;
  • Como posicionar e segurar a criança para mamar no peito;
  • Importância da amamentação exclusiva e em livre demanda;
  • Produção e manutenção da lactação;
  • Ordenha, conservação, preparo e administração do leite ordenhado;
  • Alimentação da gestante e da nutriz;
  • Problemas e dificuldades na amamentação
  • Aleitamento na sala de parto;
  • Presença do Acompanhante na sala de parto;
  • Importância do Alojamento Conjunto 24 horas;
  • Direitos da mãe durante o período de aleitamento;
  • Riscos do uso de drogas na gestação e durante o aleitamento.

As orientações deverão ocorrer em clima de empatia, de forma preferencialmente grupal, avaliando atitudes, crenças, conhecimentos, experiências anteriores e riscos para o desmame precoce. Todas as gestantes deverão receber o folder “Dez passos para o sucesso da Amamentação”, como forma de reforçar as orientações.

 

ROTINAS

  • Na primeira consulta de Pré-Natal, a gestante receberá na recepção o folder “Dez passos para o sucesso da Amamentação” afixada a sua Caderneta de Pré-Natal.
  • Após a primeira consulta de pré-natal, a gestante deverá ser convidada e orientada a participar dos Grupos de Gestantes Adulto ou Gestante Adolescente, composto por profissionais da equipe de ambulatório (enfermeiras, médicos, nutricionistas, psicólogos, assistentes sociais, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, etc.). No caso de gestantes internadas, estas deverão participar de grupo educativo específico sobre o tema, realizado semanalmente pela equipe multiprofissional do HU-FURG.
  • As gestantes também são convidadas a participar da Visita à Maternidade, extensiva às gestantes das Unidades de Saúde da região. Nesse grupo, além da rotina interna do hospital e dos sinais de parto, são mencionadas esclarecimentos de dúvidas sobre aleitamento materno.
  • Médicos obstetras farão exame mamário na primeira consulta de pré-natal, sensibilizando para o aleitamento materno.
  • As orientações sobre amamentação deverão seguir as demandas das gestantes, procurando sempre abordar um conteúdo mínimo que garanta informação sobre benefícios da amamentação, boa pega e posição, aleitamento exclusivo e em livre demanda, produção e manutenção da lactação e outros temas que surgirem. As gestantes de alto risco, além dos temas já citados, deverão ser sensibilizadas sobre a importância do aleitamento materno para bebês prematuros, sendo informadas sobre o “Programa de Atenção Humanizada ao Recém-Nascido de Baixo-Peso – Método Canguru” e sobre o funcionamento do Banco de Leite Humano.

NORMAS

  • As parturientes devem ser informadas e sensibilizadas desde o pré-parto sobre a rotina de contato mãe-bebê na sala de parto, visando o início do aleitamento.
  • Os profissionais do pré-parto deverão acompanhar o trabalho de parto, propiciando continência para as queixas físicas e emocionais das parturientes.
  • Deverá ser incentivada a presença de um acompanhante da escolha da parturiente, que permaneça durante o trabalho de parto e parto.
  • Os profissionais presentes no Centro Obstétrico deverão manter um ambiente de apoio que facilite o contato íntimo mãe-bebê. O acompanhante também poderá colaborar nesse momento.
  • Na primeira hora de vida, todo recém-nascido em boas condições de vitalidade deverá ser colocado junto à mãe, durante cerca de uma hora nos partos normais e cesarianas, para contato olho a olho, pele a pele e início da amamentação, salvo quando haja alguma contraindicação médica.
  • No caso onde seja necessária permanência da mãe na Recuperação, sempre que as condições clínicas permitirem deverá ficar acompanhada de seu bebê, sendo proporcionada ajuda e monitoramento por parte dos profissionais da Recuperação, para mamadas e outras necessidades do bebê e da mãe, evitando separação da dupla até o momento da transferência para o Alojamento Conjunto.

 

ROTINAS

  • Os profissionais do Pré-Parto deverão acompanhar o trabalho de parto, procurando sensibilizar e informar as parturientes sobre a rotina de contato mãe-filho, quando ambos estiverem em boas condições.
  • Os profissionais presentes no Centro Obstétrico deverão manter um ambiente de tranquilidade e apoio que facilite o contato íntimo mãe-filho.
  • O acompanhante, quando presente, poderá ser instruído a como colaborar nesse momento.
  • Prescrever sedativos, analgésicos e ou anestésicos baseado em clara evidência clínica, em vista da possibilidade de interferência na qualidade do aleitamento. Utilizar preferencialmente métodos não farmacológicos para alívio da dor.

 

ROTINA SALA DE PARTO NORMAL PARA RN VIGOROSO:

Para Recém-nascidos (RN) ao nascer, com boa vitalidade, sem necessidade de manobras de reanimação ou intervenções médicas, os passos de atendimento em sala de parto deverão transcorrer da seguinte forma:

  • Após o desprendimento uterino, o obstetra deverá posicionar o recém-nascido sobre o ventre materno e aguardar o terceiro período do parto, entre 1 a 3 minutos, para o clampeamento do cordão (“clampeamento tardio”);
  • Neste momento a equipe (neonatologistas e enfermeiros / auxiliares) deverá iniciar o atendimento ao RN, procedendo à secagem e avaliação da vitalidade / exame físico, sobre o ventre materno.
  • Estando o bebê em boas condições clínicas e não havendo necessidade de aspiração de vias aéreas ou outras intervenções de reanimação, a equipe deverá vestir a touca no RN (evitando assim perda de temperatura por pólo cefálico) e colocar fralda (ATENÇÃO: não vestir roupas no bebê) e imediatamente posicioná-lo em contato pele a pele.
  • No momento de retirar o binômio da sala de parto, retirar o bebê, fazer o kanakion, credê e impressão plantar, pesar (descontar peso da fralda ~ 20g), passar mãe para maca e recolocar RN em contato.
  • QUANTO À PESAGEM: em casos de necessidade de conduta terapêutica (prescrição de controle glicêmico), como nos casos de recém-nascidos com restrições de crescimento intra-uterino, suspeita de prematuridade (erro de data), filhos de mãe diabética ou grandes para idade gestacional; o pediatra poderá realizar a pesagem, rapidamente, após os primeiros cuidados, devendo justificar em prontuário o motivo desta intervenção.

 

ROTINA SALA DE PARTO CESÁREA PARA RN VIGOROSO:

Para Recém-nascidos (RN) que nascerem, com boa vitalidade, sem necessidade de manobras de reanimação ou intervenções médicas, os passos de atendimento em sala de parto deverão transcorrer da seguinte forma:

  • RN ao nascimento é colocado sob campo cirúrgico, obstetra seca RN até o clampeamento do cordão (1 a 3 minutos após o nascimento), neonatologista recepciona RN em campo estéril previamente aquecido, coloca RN sob fonte de calor radiante, realiza exame físico sumário, pesa, veste a touca e a fralda, coloca RN sob contato pele a pele com a proteção o término do tempo cirúrgico da cesárea.
  • Estimular o acompanhante a ficar na sala após o nascimento.
  • No momento de transferir a mãe da mesa cirúrgica para maca (aproximadamente 1 hora pós nascimento), retirar o RN do contato, colocar sob calor radiante, realizar o kanakion, fazer impressão plantar e credê, transportar mãe para maca, recolocar RN em contato pele a pele e transferir binômio para setor pré determinado.
  • Levar o recém-nascido com boas condições ao Alojamento Conjunto com sua mãe.
  • Os bebês de mães cesariadas, ou nas situações de espera de vaga em enfermaria, ficarão inicialmente com suas mães na Recuperação, requerendo maior empenho e monitoramento por parte da equipe de enfermagem para garantir as mamadas e cuidados necessários, bem como passarão pelas avaliações de rotina por parte dos neonatologistas, até que possam ser transferidos juntos para o Alojamento Conjunto, evitando assim separação da díade mãe-bebê.
  • Paralelamente, as mães também passarão por avaliações da equipe médica, para poderem ser transferidas para o Alojamento Conjunto assim que possível, tanto durante o dia quanto durante à noite.

NORMAS

  • Todo Recém-Nascido em boas condições de vitalidade deve ficar no mesmo local que a mãe, do nascimento até a alta, 24 horas por dia, desde que esta mãe também esteja em condições de interagir com o bebê.
  • A amamentação deve ser praticada em livre demanda. As primeiras mamadas devem ser monitoradas por um profissional treinado, enfatizando pega e posição.
  • Toda mãe deverá ser orientada sobre a importância do aleitamento materno exclusivo e ensinada a como efetuar a extração manual do leite (ordenha) nas primeiras horas após o parto.
  • A puérpera será continuamente apoiada e informada sobre aspectos do aleitamento materno durante a internação. Mesmo que estiver separada de seu filho, será estimulada a permanecer com ele o maior tempo possível na Unidade Neonatal e amamentá-lo logo que ele estiver apto, além de fazer a ordenha manual com frequência.
  • É contraindicado o uso de bicos, chucas, chupetas e mamadeiras no Alojamento Conjunto. Também são contraindicados outros líquidos além do leite materno, exceto por estrita prescrição médica.
  • É contraindicado o aleitamento cruzado.
  • Na alta, a mãe deve ser orientada sobre importância da manutenção da amamentação e informada sobre o Grupo realizado semanalmente no terceiro piso na sala de apoio ao AM para Tirar Dúvidas sobre Amamentação. Deverão ser agendados seus retornos para o Ambulatório de puericultura após o parto, e/ou para UBS de referência para acompanhamento.
  • É proibido o recebimento e a distribuição de bicos, mamadeiras, propagandas e amostras de alimentos para lactentes, profissionais, gestantes e mães (Lei 11.265 de 03/01/2006 regulamenta a comercialização de alimentos para lactentes e crianças de primeira infância e também a de produtos de puericultura correlatos).

 

ROTINAS

  • A puérpera e o RN devem ser levados do CO ou da Recuperação, diretamente para o Alojamento Conjunto. A equipe apoiará e orientará as mães para que o bebê seja colocado para mamar, sempre que necessário, de dia e de noite. Nenhum outro bico ou alimento deverá ser oferecido à criança em aleitamento materno;
  • A equipe de profissionais deve orientar sobre reflexo de descida do leite, mecanismo de lactação, técnicas de amamentação, cuidados com a mama e extração manual do leite;
  • A equipe do Alojamento Conjunto deve fazer grupos de orientações às puérperas três vezes por semana (2ª, 4ª e 6ª das 15h às 15h30min), discutindo as experiências e dúvidas sobre amamentação, a posição e pega correta para amamentação eficaz, cuidados com a mama e sobre cuidados com o RN resolvendo eventuais dificuldades, conforme demanda de cada grupo;
  • A equipe materno infantil devem observar e avaliar diariamente as mamas das nutrizes para tomada de conduta preventiva/curativa para fissuras, ingurgitamentos, etc.
  • A equipe materno infantil do setor deverá preencher o quadro da sinaleira da amamentação e anotar as dificuldades observadas;
  • Contraindicar aleitamento cruzado.
  • Incentivar as mães de bebês internados na Unidade Neonatal a permanecerem com seus filhos o maior tempo possível, amamentando aqueles que estiverem clinicamente aptos.
  • Orientar as mães que estiverem separadas de seus filhos quanto à ordenha manual: iniciar 6 horas após o parto e encaminhá-las ao BLH.
  • Encaminhar estas mães ao Banco de Leite Humano para ordenha e armazenamento do leite materno, bem como para orientação para coleta domiciliar se necessário. 
  • Na alta, informar todas as mães sobre o Grupo realizado semanalmente (segundas, quartas e sextas para Tirar Dúvidas sobre Amamentação e puerpério que ocorre na sala de apoio ao AM , sem necessidade de agendamento e/ ou ligar para o BLH.
  • Também deverá ser agendado retorno com seu bebê para Ambulatório de puericultura.
  • Se houver riscos de desmame, agendar retorno mais precoce.

NORMAS E ROTINAS

  • Os recém-nascidos de baixo, médio e alto risco que necessitarem permanecer internados na Unidade Neonatal deverão ter a maior proximidade possível de sua mãe e/ou pai. Aos pais será facilitado o acesso à Unidade.
  • Os recém-nascidos internados que estiverem clinicamente aptos deverão ser amamentados sob livre demanda. A amamentação deverá ser garantida e as primeiras mamadas deverão ser monitoradas por profissionais treinados da Unidade Neonatal.
  • As famílias serão incentivadas a participar do “Programa de Atenção Humanizada ao Recém-Nascido de Baixo Peso – Método Canguru”, sempre que indicado.
  • As mães cujos bebês estão internados deverão ser orientadas pela equipe da Unidade Neonatal sobre a técnica e a importância da ordenha do leite materno. Todas as mães compatíveis ao AM deverão ser encaminhadas ao Banco de Leite Humano para o estímulo e/ou extração do leite e doação, bem como para receberem orientações e materiais para a ordenha domiciliar.
  • É contraindicado o uso de bicos e chupetas aos recém-nascidos e qualquer outro alimento ou bebida além do leite materno, exceto quando clinicamente indicado.
  • A complementação alimentar, se indicada, deverá ser feita via sonda, copinho ou translactação, conforme o caso.
  • Antes da alta do bebê, a mãe deverá ser orientada sobre a importância da manutenção da amamentação e encaminhada para o Ambulatório de Seguimento de Prematuros ou para o Ambulatório de pediatria e/ou para UBS de referência, além de informada sobre o grupo realizado semanalmente as segundas, quartas e sextas na sala apoio ao AM realizado pela equipe multiprofissional da materno infantil para Tirar Dúvidas sobre Amamentação ou cuidados no puerpério.
  • As mães, sob a supervisão da enfermagem, deverão participar dos cuidados dos seus filhos, e amamentar sob livre demanda aqueles clinicamente aptos os que não estiverem clinicamente aptos as mesmas devem ser informadas sobre a extração de LM no BLH. 

 

A equipe multiprofissional da Unidade deverá:

  • Monitorar as mamadas;
  • Incentivar as mães internadas a permanecerem com seus filhos o maior tempo possível, amamentando-os;
  • Se o RN continuar internado, incentivar as mães que já receberam alta a retornarem ao hospital diariamente e amamentarem o maior número de vezes e a extração de LM no BLH;
  • Incentivar as famílias a participarem do Programa de Atenção Humanizada ao Recém-Nascido de Baixo Peso “Método-Canguru”, quando indicado.
  • A equipe deverá orientar a mãe sobre ordenha do leite materno e encaminhá-la ao Banco de Leite Humano para retirada, armazenamento, e/ou para receber orientações e materiais para a ordenha domiciliar.
  • A equipe do Banco de Leite também deverá fazer busca ativa de mães no Alojamento Conjunto cujos bebês encontram-se internados, a fim de sensibilizá-las para a importância do comparecimento frequente ao local, além de orientação sobre ordenha nos casos necessários.
  • A equipe multiprofissional da Unidade Neonatal deverá fazer grupos com as mães cujos bebês encontram-se internados, semanalmente, discutindo-se entre outros temas pertinentes, as experiências e dúvidas sobre amamentação, e sempre que necessário, fazer orientações individualizadas.

 

No momento da alta, um membro da equipe da unidade deverá:

  • Reforçar as orientações e a importância da manutenção da amamentação;
  • Encaminhar mães e bebês para o Ambulatório de Seguimento de Prematuros, conforme norma do “Programa de Atenção Humanizada ao RN de Baixo Peso – Método Canguru”; 
  • Encaminhar os bebês para o Ambulatório e/ou agendamento para seguimento na UBS de referência;
  • Informar todas as mães sobre os grupos realizados semanalmente no terceiro piso na sala de apoio ao AM sobre Tirar Dúvidas sobre amamentação e puerpério.

NORMAS

  • Todo o recém-nascido proveniente do Alojamento Conjunto deverá ser encaminhado com sua mãe ao Ambulatório, para reavaliação do RN e incentivo à amamentação;
  • Os bebês de mães soropositivas serão encaminhados para o Centro de Referência de Especialidades Ala Rosa;
  • Os recém-nascidos prematuros e de baixo–peso ao nascer deverão ser acompanhados no Ambulatório de Seguimento de Prematuros, conforme as normas de Atenção Humanizada ao Recém Nascido de Baixo Peso - Método Canguru, onde também será incentivado o aleitamento materno, e posteriormente encaminhados para UBS;
  • A todos deverá ser disponibilizado o grupo feito semanalmente segundas, quartas e sextas para Tirar Dúvidas sobre Amamentação e puerpério;
  • Todas as mães deverão ser apoiadas e orientadas para manter a amamentação exclusiva e em livre demanda até os seis meses e continuar o aleitamento até dois anos ou mais. Serão orientadas sobre:
  • Benefícios do leite materno;
  • Avaliação da pega e posição no seio materno;
  • Fisiologia da lactação;
  • Esclarecimentos de tabus;
  • Planejamento Familiar - Anticoncepção;
  • Extração, estocagem e descongelamento do leite materno;
  • Aleitamento e trabalho da mulher;
  • Serão agendados retornos para casos onde forem detectados problemas com amamentação que precisarem de maior acompanhamento ou encaminhadas ao BLH;
  • Todo o recém-nascido deverá ser encaminhado para UBS de referência.

 

ROTINAS

  • Na alta, a mãe deverá ser informada sobre o grupo no terceiro piso na sala de apoio ao AM para Tirar Dúvidas de Amamentação e puerpério, que funciona segundas, quartas e sextas das 15h às 15h30min, ou ligar para o Banco de Leite Humano (3233.8880).
  • Um membro da equipe do Banco de Leite atenderá, apoiando e orientando de maneira individual ou em pequenos grupos as mães que comparecerem com dificuldades específicas relacionadas à amamentação, independentemente de marcação prévia.
  • Se no momento da alta do Alojamento Conjunto já forem detectados problemas e riscos para não amamentar ou para o desmame precoce, a mãe deverá receber atenção especial com retorno precoce no Ambulatório e ou BLH.
  • Também são verificadas dúvidas e preocupações das mães. De posse desses dados, realiza-se uma orientação para o grupo realizado pela equipe multiprofissional. Essa orientação versa sobre cuidado com o umbigo, alimentação das mães, manejo da lactação com ênfase nas dúvidas das mães, orientações sobre digestão e cólica do bebê, e reforço para comparecimento à consulta já marcada para o bebê na UBS de referência. 
  • Orienta-se também a mãe sobre procurar UBS de referência.
  • O atendimento no Ambulatório é realizado em clima de empatia e acolhimento, prevenindo e resolvendo problemas referentes ao aleitamento, reforçando atitudes que o promova, fazendo:
    • Avaliação indireta da amamentação, verificando atitudes e conhecimentos;
    • Observação direta da mamada, verificando postura, pega, sucção;
    • Exame mamário, identificando e orientando sobre fissuras, ingurgitamento, etc.