Hospital Universitário - HU-UFJF

Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF

Atenção à Saúde Atenção à Saúde

Hospital Dia Hospital Dia

Lúpus

Lúpus

O Lúpus é uma doença inflamatória crônica de causa desconhecida. É uma doença que acomete, mais frequentemente, mulheres jovens. A doença pode ocorrer em todas as raças e em todas as partes do mundo.

Fatores genéticos, hormonais e ambientais participam de seu desenvolvimento. Pessoas que nascem com susceptibilidade para desenvolvê-la, em algum momento, após uma interação com fatores ambientais (irradiação solar, infecções, alguns medicamentos) passam a apresentar lesões na pele e também alterações nas células sanguíneas.

Os sintomas são diversos e variam em intensidade de acordo com a fase de atividade ou remissão da doença. É muito comum apresentar manifestações gerais como cansaço, desânimo, febre baixa, emagrecimento e perda de apetite.

As manifestações podem ocorrer devido a inflamação na pele, articulações, rins, nervos, cérebro e membranas que recobrem o pulmão (pleura) e o coração (pericárdio). Outras manifestações podem ocorrer devido a diminuição das células do sangue (glóbulos vermelhos e brancos), relacionada aos anticorpos que atacam essas células.

- Inflamação nos rins (nefrite): inicialmente pode não haver qualquer sintoma, apenas alterações nos exames de sangue e/ou urina. Nas formas mais graves, surgem pressão alta, inchaço nas pernas, a urina fica espumosa, podendo ocorrer a diminuição da
quantidade de urina. Quando não tratada de maneira rápida e adequada, os rins param de funcionar.

- Sangue: se os anticorpos forem contra os glóbulos vermelhos vão causar anemia, se forem contra os glóbulos brancos vão causar a diminuição de células brancas e, se forem contra as plaquetas, causarão a diminuição destas. A anemia pode causar palidez da pele e cansaço e a plaquetopenia (diminuição das plaquetas) poderá causar o aumento do sangramento menstrual, hematomas e sangramento gengival.

- Alterações neuro-psiquiátricas: são menos frequentes, mas podem causar convulsões, alterações de humor ou comportamento (psicoses), depressão e alterações dos nervos periféricos e da medula espinhal.

- Articulações: a dor com ou sem inchaço nas articulações ocorre, em algum momento, em mais de 90% das pessoas com LES e envolve, principalmente, as articulações das mãos, punhos, joelhos e pés. A artrite (inflamação das articulações) temde a ser bastante dolorosa e ocorrer de forma intermitente, com períodos de melhora e piora. às vezes também surgem tendinites.

- Lesões de pele: as lesões mais características são manchas avermelhadas nas maçãs do rosto e dorso do nariz, denominadas lesões em asa de borboleta e que não deixam cicatriz. Outra manifestação muito característica é o desenvolvimento de uma sensibilidade desproporcional à luz solar.

A inflamação das membranas que recobrem o pulmão (pleura) e o coração (pericárdio) são, relativamente, comuns, podendo ser leves e assintomáticas, ou se manifestar como dor no peito. No caso da inflamação da pleura, a dor ocorre ao respirar, podendo causar também tosse seca e falta de ar. Na inflamação do pericárdio, al´tm da dor no peito, pode haver palpitações e falta de ar.

O diagnóstico é feito por meio do reconhecimento dos sintomas. Como algumas alterações nos exames de sangue e urina são muito características, eles também são utilizados para definir o diagnóstico. O exame FAN (fator ou anticorpo antinuclear) em
uma pessoa com sinais e sintomas característicos permite o diagnóstico com muita certeza.

O tratamento da pessoa com LES depende do tipo de manifestação apresentada e deve, portanto, ser individualizado. Dessa forma a pessoa com LES pode necessitar de um, dois ou mais medicamentos na fase ativa da doença e, poucos ou nenhum medicamento na fase não ativa ou em remissão da doença.

O LES é uma doença crônica, assim como a hipertensão, diabetes e várias doenças intestinais e alérgicas. Todos que têm essas doenças necessitam de um acompanhamento prolongado, mas isso não quer dizer que a doença vai estar sempre causando sintomas, ou impedindo a pessoa de viver a sua vida.

BORBA, E. F. et al. Consenso de Lúpus Eritematoso Sistêmico. Revista Brasileira
de Reumatologia, v. 48, p. 196-207, jul/ago 2008.
https://www.abcdasaude.com.br/reumatologia/lupus-eritematoso-sistemico