Divisão de Enfermagem Divisão de Enfermagem

DIVISÃO DE ENFERMAGEM

A Divisão de Enfermagem responde tecnicamente por todos os profissionais de enfermagem no âmbito do Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão (HU-UFMA). Visa garantir assistência de enfermagem de qualidade baseada na Processo de Enfermagem segundo Wanda de Aguiar Horta; formar profissionais da enfermagem de excelência para a sociedade; e manter os princípios éticos da profissão. Atua junto aos profissionais de enfermagem do HU-UFMA oferecendo subsídios para o desenvolvimento das práticas assistenciais seguras, conforme recomendado pelas legislações vigentes e normas institucionais.

O trabalho desenvolvido pela Divisão de Enfermagem é realizado em conjuntos com as assessoras da divisão e responsáveis técnicos (lideranças) em cada unidade de cuidado ou de apoio diagnóstico e terapêutico. Sua Política de Gestão visa resgatar o papel da enfermagem como profissionais centrados no usuário e nos princípios preconizados na missão, visão e valores do HU-UFMA e da enfermagem. Esses princípios constituem subsídios essenciais para guiar a equipe na reflexão cotidiana sobre o seu trabalho, bem como colaborar para o alcance da qualidade da assistência de enfermagem ao usuário SUS.

Composição da Equipe da Divisão de Enfermagem:

Enfa. Araceli Moreira De Martini Fontenele – Assessora

Enfo. Danilo Marcelo Araújo dos Santos – Coordenador da COMSAE

Enfa. Maria Regina Dias Baptista – Assessora

Enfa. Josenilda Constantino Catão – Assessora

Ass. Administrativo Suellen Santos da Silva

Ass. Administrativo Sumika de Fátima Barata Martins Araújo

Enfa. Tereza Rachel Gomes Alencar – Chefe de Divisão

 

Missão, Visão e Valores da Enfermagem do HU-UFMA

MISSÃO HU-UFMA

 

Formar profissionais da saúde e atender aos usuários do SUS, com qualidade.

MISSÃO DA ENFERMAGEM DO HU-UFMA

 

Formar profissionais de enfermagem, contribuir na formação de demais profissionais da saúde e prestar assistência de enfermagem aos usuários do SUS, com qualidade.

VISÃO HU-UFMA

 

Ser reconhecido nacionalmente como referência no âmbito da gestão, assistência, ensino e pesquisa na área da saúde.

VISÃO DA ENFERMAGEM DO HU-UFMA

 

Ser reconhecido nacionalmente como referência no âmbito da assistência de enfermagem, ensino e pesquisa na área da saúde.

VALORES HU-UFMA

 

- Respeito ao ser humano e aos seus direitos;

 

- Compromisso com sua função socioambiental na formação profissional e assistência à saúde gratuita, humanitária e solidária;


- Ética nas relações pessoais, profissionais e institucionais.

VALORES DA ENFERMAGEM DO HU-UFMA

 

- Respeito ao ser humano e aos seus direitos, visando sua integralidade e cuidado em todas as dimensões (psicobiológicas, psicossociais e psicoespirituais);

- Compromisso com sua função socioambiental na formação profissional e assistência à saúde gratuita, humanitária e solidária;


- As ações e relações da Enfermagem, sejam pessoais, profissionais e institucionais, são desenvolvidas a partir de saberes científicos, técnicos, embasados em princípios legais e éticos da profissão visando a promoção da humanização e qualidade do cuidado.

 

1.Política de Qualidade na Assistência

A política de qualidade visa assegurar um cuidado de enfermagem de qualidade ao usuário e família/acompanhante, baseada em ações que objetivam a segurança do paciente, avaliação de indicadores ligados à assistência de enfermagem e proposição de ações de melhoria contínua.

Objetivo:

Manter alto padrão de qualidade na assistência prestada ao usuário e seus familiares/acompanhantes.

Princípios:

  • Usuário e sua família/acompanhante constituem o centro do cuidado e das ações da equipe de enfermagem.
  • Cuidado de enfermagem com qualidade, seguro e livre de riscos para o usuário e sua família/ acompanhante.
  • Educação em saúde é um pilar fundamental para o cuidado de enfermagem ao usuário e sua família/acompanhante.
  • Monitoramento e avaliação de indicadores assistenciais de enfermagem e desenvolvimento de ações de melhoria.

2.    Política da Sistematização da Assistência de Enfermagem

O HU-UFMA compartilha a compreensão da enfermagem como uma ciência, que tem como foco o cuidado ao ser humano e que para o desenvolvimento do seu processo de trabalho busca perceber o indivíduo como fruto dos seus valores, de suas crenças, tendo como pressuposto o atendimento das necessidades humanas básicas. A enfermagem firma-se como uma profissão que tem um olhar integral sobre o usuário ao qual assiste, e para tanto instrumentaliza-se através do Processo de Enfermagem. A partir desta perspectiva adotou a Teoria das Necessidades Humanas Básicas, de Wanda de Aguiar Horta, por compreender que o ser humano necessita ser visto na sua integralidade conforme as dimensões psicobiológicas, psicossociais e psicoespirituais.

O Processo de Enfermagem demonstra um específico trabalho profissional e define-se como uma conjectura de diversas ações inter-relacionadas e dinâmicas para sua realização, sendo necessária a adoção de uma metodologia ou modo de fazer (Sistematização da Assistência de Enfermagem), fundamentada em uma série de valores, crenças e conhecimentos técnicos-científicos da área, descritos como a essência da prática da Enfermagem (WANDA, 1979. GARCIA, 2004).

Objetivos:

  • Padronizar a Sistematização da Assistência de Enfermagem, fundamentada na Teoria de Wanda Horta;
  • Realizar as cinco etapas do Processo de Enfermagem: Histórico de Enfermagem, Diagnóstico de Enfermagem, Prescrição de Enfermagem, Implementação dos Cuidados e Evolução de Enfermagem;
  • Garantir que a enfermagem execute uma assistência qualificada e baseada em evidências;
  • Alcançar visibilidade e valorização profissional no processo de trabalho de enfermagem.

Princípios:

  • Usuário e sua família/acompanhante como centro da assistência participando nas decisões dos cuidados.
  • Cuidado de enfermagem científico ofertando qualidade e segurança para o usuário e sua família/ acompanhante.
  • Garantia da continuidade da assistência ao usuário e sua família/ acompanhante.

3.    Política de Educação Permanente em Enfermagem

A política de educação permanente em enfermagem no HU-UFMA baseia-se na Política Nacional Educação Permanente em Saúde (Brasil, 2009), objetivando capacitar os profissionais de enfermagem para alcançar melhor desempenho de suas atividades de cuidado e qualidade na assistência de enfermagem ao usuário.

Objetivos:

  • Estimular a equipe de enfermagem a refletir sobre sua prática, avaliar sua assistência, visando transformá-la.
  • Instrumentalizar os profissionais de enfermagem para atuarem com qualidade na assistência ao usuário e diante das novas tecnologias leves, leve-duras e duras.
  • Fomentar o desenvolvimento do processo de trabalho em conformidade aos princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde e da Política Nacional de Humanização.
  • Qualificar o cuidado de enfermagem prestado ao usuário e família/ acompanhante.
  • Compartilhar conhecimento científico, técnicas e práticas de modo a permitir à equipe de enfermagem embasamento, autonomia e a segurança no desempenho de seu trabalho.
  • Facilitar a implantação e incorporação de novas rotinas, normas e protocolos a serem desenvolvidos pelo HU-UFMA.
  • Promover a integração ensino e assistência.

Princípios:

  • Garantir padrão de qualidade do cuidado ao usuário e sua família/acompanhante;
  • Promover a construção do conhecimento a partir da aprendizagem significativa;
  • Fomentar o desenvolvimento dos processos de trabalho incentivando ações descentralizadas, de forma integral e humanizada, considerando a subjetividade dos sujeitos e acolhendo as necessidades dos usuários;
  • Estabelecer, pela ação e reflexão da realidade vivida no cotidiano dos profissionais de enfermagem, a aprendizagem significativa, de modo a transformar a realidade, buscando romper paradigmas socialmente aceitos.

4.    Política de Integração Ensino-Serviço

A Reforma Universitária de 1968 trouxe a idealização da política de integração ensino-serviço firmada nas diretrizes da integração docente-assistencial (IDA), considerada pilar importante para a qualificação do profissional a ser formado e também para a melhoria da qualidade da assistência oferecida aos usuários do SUS. No HU-UFMA, se efetiva através das ações globais realizadas pelos professores, preceptores, residentes e estudantes de enfermagem juntamente com a equipe de enfermagem.

Objetivos:

  • Definir os papéis entre a equipe de enfermagem, preceptores, residentes, docentes e alunos visando tornar o trabalho agradável e acolhedor para o usuário e família/acompanhante.
  • Proporcionar à equipe de enfermagem, residentes, docentes e alunos oportunidades para refletirem sobre a sua prática e a qualidade da assistência ofertada ao usuário e família/ acompanhante.
  • Favorecer o desenvolvimento do ensino de enfermagem nos diversos níveis (nível médio, graduação e pós-graduação), oferecendo aos estudantes maiores ensejos para reflexão sobre a aplicação ou construção do conhecimento em campo teórico-prático, com a contribuição da equipe de enfermagem de cada unidade.

Princípios:

  • A integração ensino-serviço contribui para a qualificação dos profissionais de enfermagem, aplicados os conhecimentos científicos no campo da prática.
  • As estratégias de integração ensino-serviço permitem a concretização da Missão e Visão preconizadas no HU-UFMA, no âmbito do ensino, pesquisa e assistência, otimizando assim a qualidade no cuidado de enfermagem.

5.    Modelo Assistencial Enfermeiro de Referência

Estudos recentes demonstraram a existência de diversos modelos assistenciais de enfermagem, dentre eles há dois mais comuns: o primeiro é o Modelo de Prática Baseada em Evidência, em que o enfermeiro torna-se o centro do processo, pois os cuidados implementados dependem da observação, avaliação, questionamentos e comunicação do profissional. O segundo é o Modelo de Cuidado Centrado no Usuário, tendo como princípio tornar o usuário informado e envolvido com as decisões sobre os seus cuidados. (GEROLIN, CUNHA 2013).

Os modelos assistenciais podem facilitar os valores profissionais ou os valores burocráticos dependendo da natureza dos serviços prestados e do modelo. A enfermagem de equipe, um modelo muito divulgado e utilizado é projetado de acordo com um modelo de produção em massa de prestação de serviços, portanto viabiliza valores burocráticos. Nele, as tarefas menos complexas são desenvolvidas por profissionais de menor formação e as mais complexas pelos mais qualificados. No modelo de enfermagem de equipe, o enfermeiro é responsável por executar as tarefas mais complexas, supervisionar e coordenar aquelas realizadas por profissionais de nível auxiliar e técnico, enquanto estes realizam a maioria das tarefas (MANTHEY, 2014).

A enfermagem do HU-UFMA desenvolve seus processos de trabalho baseados no modelo de enfermagem de equipe, e embora sendo reconhecida pela prestação de cuidados de qualidade percebe a necessidade de mudança para um modelo que garanta que o usuário seja visto na sua integralidade, em que haja continuidade da assistência, segurança e minimização de riscos, além de satisfação e reconhecimento pelos usuários e seus familiares/acompanhantes.

Tendo em vista as mudanças ocorridas no âmbito do hospital, a necessidade de melhoria no cuidado e a percepção de que o modelo de enfermagem de equipe não mais atende aos critérios de qualidades buscados pelo HU-UFMA, decidiu-se pela implantação do Modelo Assistencial do Enfermeiro de Referência, fundamentado no Primary Nursing, criado pela enfermeira americana Marie Manthey, na década de 1960. Este modelo visa alcançar a integralidade na assistência de enfermagem, qualidade dos cuidados prestados aos usuários, satisfação e valorização da equipe de enfermagem, uma vez que o enfermeiro passa a representar tanto para a equipe multiprofissional quanto para o usuário elemento chave na discussão sobre o processo de cuidar.

O Modelo Assistencial do Enfermeiro de Referência é um sistema de organização do trabalho para a aplicação de cuidados de enfermagem em uma unidade de internação hospitalar. Nesse modelo, o enfermeiro, que é denominado “de referência”, é responsável pelo plano de cuidados de um usuário ou grupo de usuários e garante a sua implementação nas 24 horas. Os cuidados são integrais, no qual o enfermeiro é responsável pela avaliação, planejamento e implementação da assistência prestada aos usuários a ele designado.

6.Atribuições da Divisão de Enfermagem

Conforme as Diretrizes Clínicas sobre a Estrutura Organizacional dos Hospitais sob gestão da EBSERH (Brasília, 2013) a Divisão de Enfermagem tem as seguintes competências:

  • Responder tecnicamente pelo Serviço de Enfermagem do hospital junto aos Conselhos Federal e Regional de Enfermagem, bem como representá-lo junto às autoridades e perante o juízo, conforme legislação vigente;
  • Manter atualizada, junto ao Conselho regional de Enfermagem, a relação dos profissionais de enfermagem que atuam sob sua responsabilidade;
  • Fazer cumprir o Código de Ética dos profissionais de enfermagem;
  • Zelar pelo exercício ético dos profissionais de enfermagem;
  • Coordenar a equipe de enfermagem do hospital;
  • Assegurar a prestação da assistência de enfermagem em todas as áreas de atendimento do hospital em quantidade e qualidade desejáveis;
  • Estabelecer as diretrizes da assistência de enfermagem em consonância com as diretrizes da gestão do cuidado;
  • Realizar diagnóstico situacional da Enfermagem, alinhando ao planejamento da Instituição;
  • Assessorar as Unidades Assistenciais na implantação as normas e rotinas dos protocolos assistenciais de enfermagem;
  • Assessorar a Gerência na implantação e implementação da política de assistência, ensino e pesquisa;
  • Promover, em articulação com a Gerência de Ensino e Pesquisa, a integração docente-assistencial com o Departamento de Enfermagem da Universidade;
  • Implantar e realizar o gerenciamento das comissões de enfermagem;
  • Participar dos programas de treinamento e aprimoramento de pessoal nas ações de educação continuada;
  • Acompanhar o processo de avaliação das equipes de enfermagem quanto ao desempenho técnico e conduta profissional;
  • Mediar conflitos e estimular o relacionamento harmonioso entre os profissionais de Enfermagem e demais profissionais do hospital, bem como destes com a governança; e
  • Realizar a escuta das necessidades dos usuários nas ações assistenciais, proporcionando atendimento humanizado.

REGULAMENTO TÉCNICO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM