Notícias Notícias

Voltar

HU está inserido em projeto internacional para detecção precoce do câncer

PARCERIA

HU está inserido em projeto internacional para detecção precoce do câncer

Profissionais de saúde envolvidos serão treinados e estarão no patamar desejável pela OMS.

O Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe (HU-UFS), filial da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), iniciou a sua participação em um projeto multicêntrico, ou seja, com contribuição de vários centros de investigação para o diagnóstico precoce do câncer.

A convite do Instituto Nacional de Câncer (Inca), que é o órgão auxiliar do Ministério da Saúde no desenvolvimento e coordenação das ações integradas para a prevenção e o controle do câncer no Brasil, o HU-UFS passa a integrar um grupo do qual fazem parte representantes da Ásia e América Latina, incluindo instituições brasileiras como o próprio Inca e as universidades de São Paulo (USP) e a de Minas Gerais (UFMG).

Capacitação

De acordo com a superintendente do HU-UFS, Angela Silva, inicialmente profissionais do hospital serão capacitados pelo Inca para a realização do diagnóstico precoce do câncer. “Com isso, eles estarão ocupando o mesmo patamar que os profissionais do Japão. Tivemos nesta semana uma videoconferência, transmitida da Nova Zelândia e coordenada pelo Japão, na qual foi feito o primeiro contato dos grupos de países participantes”, informou a superintendente.

Para ela, a população terá a prerrogativa de um diagnóstico de câncer muito precoce, já que os profissionais de saúde envolvidos serão treinados e estarão no patamar desejável pela Organização Mundial da Saúde.

Essa informação é reforçada pelo médico oncologista Carlos Anselmo Lima, chefe do Setor de Gestão de Ensino do HU-UFS e integrante do projeto. “A videoconferência foi um primeiro contato com um grupo que desenvolve teleconferências com a América Latina e com a Ásia, basicamente relacionado com procedimentos endoscópicos de alta complexidade. O objetivo inicial desse contato é que o HU poderá participar de um projeto internacional para detecção de câncer colorretal, juntamente com o Japão e outros países da América Latina”, pontuou Carlos Anselmo.

O médico explicou que foram discutidos procedimentos em câncer, inicialmente de esôfago e estômago, mas que a intenção futura é concretizar uma parceria para detectar precocemente o diagnóstico de câncer colorretal. “Como a incidência do câncer colorretal está crescendo, acredita-se que com a detecção precoce seja possível tratar melhor os pacientes, proporcionando-lhes maiores chances de cura e de sobrevida”, destacou.

Tecnologia da Informação

“Para esse projeto, é de grande importância o suporte técnico da Tecnologia da Informação, que tem fundamental participação no HU-UFS para a preparação e controle das videoconferências, utilizando alta tecnologia. Além das videoconferências, ficou clara a possibilidade de treinamentos fora do estado ou com pessoas vindo até Sergipe para proporcionar presencialmente o conhecimento. Assim, o hospital, e principalmente os pacientes, têm muito a ganhar com o estabelecimento dessa parceria”, complementou Carlos Anselmo.

O público-alvo do projeto é formado por endoscopistas, anestesiologistas e por todos os especialistas que lidam com câncer e epidemiologia. “A grande vantagem da participação do HU é aprender coisas novas relacionadas à detecção precoce de um tipo de câncer que está em crescimento em países como o Brasil. Para o paciente usuário do Sistema Único de Saúde, o benefício é o diagnóstico precoce, que é muito importante para aumentar a sua chance de cura”, finalizou o médico.

Sobre a Ebserh

Desde 2013, o HU-UFS faz parte da Rede Ebserh. Vinculada ao Ministério da Educação, a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) atua na gestão de hospitais universitários federais. O objetivo é, em parceria com as universidades, aperfeiçoar os serviços de atendimento à população, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), e promover o ensino e a pesquisa nas unidades filiadas.

Criada em dezembro de 2011, a empresa administra atualmente 40 hospitais, sendo responsável pela gestão do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), que contempla ações em todas as unidades existentes no país, incluindo as não filiadas à Ebserh.

Por Andreza Azevedo

Imagens: