Notícias Notícias

Voltar

Estudantes da UFS desenvolvem sistemas para inovar a gestão do HU

REPORTAGEM

Estudantes da UFS desenvolvem sistemas para inovar a gestão do HU

Os projetos contemplam, dentre outras, as áreas da Comunicação Social, da Unidade de Reabilitação e do Setor de Vigilância em Saúde e Segurança do Paciente

O Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe (HU-UFS), através do Setor de Processos e Tecnologia da Informação (SGPTI), tem promovido uma iniciativa para melhorar a gestão da informação nesta filial da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh): com foco na melhora contínua da segurança e da qualidade dos serviços prestados, estudantes da UFS têm sido envolvidos em projetos para desenvolver sistemas de informação a diversos setores do HU.

“O uso da tecnologia na atenção à saúde e nos serviços auxiliares desempenha um importante papel para uma melhor abordagem das necessidades dos pacientes e dos profissionais do HU-UFS”, destaca a chefe do SGPTI, Adicinéia Oliveira. Como professora da disciplina de Engenharia de Software, a gestora, desde 2015, tem trazido os alunos da sala de aula para a prática no HU-UFS, com objetivo de estimular o desenvolvimento de sistemas da informação na área da saúde.

A partir da sua experiência como gestora de tecnologia da informação (TI) da Ebserh, Adicinéia pôde observar, ao longo dos últimos anos, que as TI’s ajudam, direta ou indiretamente, a melhorar a qualidade na atenção aos pacientes. Quando os seus estudantes se dedicam à gestão de sistemas e à engenharia informática dentro do HU-UFS, as soluções surgidas proporcionam caminhos inovadores às práticas de diversos profissionais. “As ciências da saúde são dependentes da informação e precisam que o seu fluxo seja o melhor possível. O HU-UFS está convencido de que um dos seus pilares estratégicos é o desenvolvimento de sistemas de informação para atender às necessidades dos diferentes setores e unidades”, complementa a professora.

A chefe do SGPTI do HU-UFS, Adicinéia Oliveira. Foto: Ascom/HU-UFS.

CajuBio: arma do Supertime na gestão de antimicrobianos

Um dos projetos desenvolvidos é o CajuBio, sistema de informação criado para auxiliar o trabalho do Supertime do HU-UFS, que é a equipe multidisciplinar responsável pela gestão de antimicrobianos. “O desafio que propusemos aos alunos de Adicinéia foi o de compilar os nossos guias terapêuticos num aplicativo com interação para os profissionais que trabalham, principalmente, com os antibióticos”, explica a chefe da Unidade de Gestão de Riscos Assistenciais e coordenadora do Supertime, Iza Lobo.

Um dos alunos envolvidos no desenvolvimento do CajuBio, José Eurique, destaca que “o CajuBio é um sistema de apoio à decisão. Ele permite maior acessibilidade à informação estratégica sobre a gestão dos antimicrobianos, porque o usuário disfruta de objetividade na sua pesquisa”. Nessa plataforma, um médico do HU-UFS, por exemplo, pode fazer login e buscar um guia terapêutico direcionado ao problema que precisa solucionar, adulto ou pediátrico, obtendo informação sobre um antibiótico adequado ao caso.

 

A chefe do Setor de Vigilância em Saúde e Segurança do Paciente, Márcia Lima, ressalta que o CajuBio vai otimizar o processo de tomada de decisão de médicos e residentes no âmbito da prescrição de antimicrobianos. “A ideia é que seja uma ferramenta agradável, disponível no celular de cada profissional, sempre pronta para ser consultada. Depois de aprimorarmos a nossa experiência no HU-UFS, temos a intenção de levar o aplicativo para toda a rede da Ebserh”, garante.

A professora Adicineia Oliveira com os seus alunos da UFS, em reunião sobre o sistema CajuBio. Foto: Ascom/HU-UFS.

Sistema de Atendimento à Imprensa

Outro projeto em andamento é o Sistema de Atendimento à Imprensa (SAI), que resultou da parceria entre o SGPTI, a Unidade de Comunicação Social (UCS) do HU-UFS e a aluna Simone Silva. “Não poderia estar mais satisfeita por ter passado por essa experiência. Acredito que esse desafio fará toda a diferença para o meu futuro profissional”, relata a estudante.

A estudante Simone Silva. Foto: Ascom/HU-UFS.

O SAI auxiliará a UCS a gerir a informação que nasce, em regra, no atendimento à imprensa, que muitas vezes procura o HU-UFS para produzir reportagens, solicitar fontes de informação e requerer outras demandas similares. O sistema permitirá, por exemplo, que a UCS relacione o conteúdo eventualmente produzido pela imprensa (textos, áudios e vídeos) com um histórico envolvendo todas as fases de atendimento e acompanhamento a jornalistas e demais atuantes da Comunicação Social.

“O projeto tem sido desafiador para a Simone, uma vez que ela teve de aprender a terminologia mais específica do jornalismo e das atividades comumente desenvolvidas pela assessoria de comunicação do HU-UFS. Além disso, o banco que o sistema será capaz de criar vai permitir aos colaboradores da UCS a concentração, num único lugar, dos dados mais importantes relacionados a quase todas as etapas das suas atividades”, resume Adicineia.

Inovação nacional na Unidade de Reabilitação

“A Unidade de Reabilitação do HU-UFS, em parceria com o Grupo de Pesquisa em Funcionalidade Humana, tem sido inovadora no cenário nacional com a utilização da Classificação Internacional de Funcionalidade (CIF) nos serviços de reabilitação ofertados. Com o desenvolvimento e a implantação de um sistema de informação, otimizaremos o mapeamento da unidade, tornaremos visível a melhora dos pacientes e analisaremos possíveis prognósticos”, conta a fisioterapeuta Géssica Uruga.

Um dos estudantes envolvidos no projeto é Claudson Santos, quem narra a trajetória para a construção do sistema. “Houve diversas reuniões com os profissionais da unidade e também com o pessoal do SGPTI, de forma que pudéssemos identificar as principais necessidades e viabilizar uma ferramenta capaz de atendê-las”, detalha.

Batizado como Sistema de Informação da Unidade de Reabilitação (SIUR), a funcionalidade permitirá aos colaboradores envolvidos a criação dinâmica de qualquer ficha de avaliação e o registro e o acompanhamento da evolução de todos os pacientes atendidos, por exemplo. O objetivo é que práticas de “retrabalho” entre os colaboradores sejam eliminadas.

A professora Adicineia Oliveira com os seus alunos da UFS, em reunião sobre o SIUR. Foto: Ascom/HU-UFS.

Outros projetos relevantes

Adicinéia Oliveira relembra, com orgulho, outros projetos importantes que se tornaram relatórios de estágios curriculares obrigatórios e trabalhos de conclusão de curso (TCC). “Sistemas de informação para a área da saúde representam uma linha de pesquisa bastante significativa, não só dentro do nosso departamento como também no mundo afora”, opina a gestora. Destacam-se, dentre os projetos já finalizados, os das egressas Samila Santos (área da odontologia) e Daiana Souza (área da enfermagem).

“Geralmente, um projeto começa na disciplina de Engenharia de Software. Quando ele alcança a robustez necessária, transforma-se num TCC. Também utilizamos os estágios supervisionados para a fase de implementação do sistema. Esse é percurso que estão fazendo ou já fizeram, por exemplo, a Simone, o José Eurique e o Claudson”, detalha Adicinéia.

A professora enumera, ainda, os próximos projetos programados. “Desenvolveremos, nessa mesma dinâmica com os estudantes no Campus da Saúde, sistemas para o setor de farmácia, uma interface inteligente para prontuários eletrônicos e o e-Paciente, um aplicativo que será direcionado aos nossos usuários”, garante.

 

Perspectivas para o futuro

“Temos discutido com a pró-reitoria de Graduação a possibilidade de trazer algumas disciplinas da Computação para o nosso Campus da Saúde. Isso facilitará, sem dúvida, o andamento dos projetos atuais e futuros”, revela a chefe do SGPTI. Adicineia explica que a ideia é manter, ininterruptamente, estagiários da área de tecnologia da informação no HU-UFS.

Na visão da professora, o que torna possível a elaboração de todos esses sistemas é a interdisciplinaridade que existe entre todos os setores do HU-UFS. “Todos têm participado ativamente, contribuindo para a formação dos alunos e para a otimização das atividades hospitalares diárias. Agradeço muito a todos os chefes e demais colaboradores que se fizeram prestativos desde o desenvolvimento do primeiro projeto”, finaliza a gestora.

Sobre a Ebserh

Desde 2013, o HU-UFS faz parte da Rede Ebserh. Vinculada ao Ministério da Educação, a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) atua na gestão de hospitais universitários federais. O objetivo é, em parceria com as universidades, aperfeiçoar os serviços de atendimento à população, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), e promover o ensino e a pesquisa nas unidades filiadas.

Criada em dezembro de 2011, a empresa administra atualmente 40 hospitais e é responsável pela gestão do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), que contempla ações em todas as unidades existentes no país, incluindo as não filiadas à Ebserh.

Por Luís Fernando Lourenço