Notícias Notícias

Voltar

HU realiza 100º transplante de fígado com equipe multidisciplinar

Saúde

HU realiza 100º transplante de fígado com equipe multidisciplinar

Marco histórico é importante devido ao nível de complexidade e potencial de formação de novos profissionais

 

O Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani de São Thiago (HU-UFSC) realizou, no dia 11 deste mês, o 100º transplante hepático, marcando uma trajetória iniciada em novembro de 2011 e concretizando um serviço que vem ganhando em expersite ao longo destes anos, contribuindo para o fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS) e para a formação de novos profissionais nesta área.

O centésimo transplante hepático foi realizado em uma paciente com hepatite fulminante internada na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do HU e durou cinco horas, com a participação de três membros da equipe cirúrgica. O trabalho todo, no entanto, é feito por uma equipe multidisciplinar que acompanha desde o acolhimento do paciente até os cuidados pós-cirúrgicos em todas as fases.

Os pacientes que passaram por cirurgia de transplante hepático no HU, na maioria, são da faixa etária de 40 a 60 anos, mas há transplantados de 18 a 70 anos no histórico do hospital. Após a cirurgia, é feito um acompanhamento permanente do paciente, que faz visitas regulares ao hospital para este serviço.

Um dos pacientes que passaram por todas as fases de tratamento e pelo transplante de fígado no HU é o pescador Cristiano Souza Pacheco, morador de Imbituba (SC). “Eu cheguei no hospital em 2015 e, depois de recuperar da hepatite, fui indicado para o transplante e esperei por dois meses até a cirurgia. Hoje me sinto 100% e pronto para uma vida nova”, comemorou.

De acordo com a cirurgiã Fernanda Günther Ramos, gastroenterologista e hepatologista do HU, que integra a equipe de transplante desde 2011, no hospital universitário todo o processo – desde a recepção do paciente até o acompanhamento pós-cirúrgico – é realizado integralmente pelo SUS. “São procedimentos sofisticados e este marco representa a concretização de um serviço de qualidade no HU”, explicou a médica.

O hepatologista e professor do Departamento de Clínica Médica da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Leonardo Schiavon, que também faz parte de equipe de transplante, destacou um aspecto importante na história do transplante hepático do HU, que é a formação de novos profissionais nesta área. Segundo ele, o HU tem a única residência médica em hepatologia no Estado e é uma das pioneiras do Brasil nesta formação. “Formamos médicos capacitados para atendimento a paciente hepáticos em todas as fases, inclusive para transplantes”.

Fazem parte da equipe multidisciplinar de transplante hepático os cirurgiões Mauro Igreja, Fernando Ferraz de Miranda, Gilberto Kremer e Diogo Tamioso e os médicos hepatologistas Fernanda Günther, Telma Erotides da Silva, Leonardo Schiavon e Janaina Schiavon e os anestesistas Giovani Figueiredo Locks, Nicole Moren Moritz, Francisco de Assis Mettran e André Bussmann.

Também integram a equipe os intensivistas Air Luis Zambon, Rafael Lisboa de Souza e Elizabeth Buss; a enfermeira de ambulatório Marisa da Silva Martins; as nutricionistas Alessandra Erdmann e Ana Carolina Lima Cirino; as fisioterapeutas Carolina Luana de Melo e Valéria Franciane de Oliveira; as psicólogas Maria Emília Nunes e Letícia Gabarra e a assistente social Erica Zorzi.

Os profissionais de Enfermagem do Centro Cirúrgico Elisa Kuze, Larissa Jacomossi, Jaçany Prudente e André Maffissoni também fazem parte da equipe do transplante hepático, juntamente com as enfermeiras do banco de sangue Daiana de Mattia e Neuza Libra Daniel e as enfermeiras de sobreaviso Claudia Manuela Oliveira, Ana Paulo Hoch Tedesco e Cristiane Baldessar Mendez e a equipe do laboratório de análises clínicas, com Jean Dival do Santos, Sandro Wopereis, Bruno Matheus Facchin e Patrícia Casas Souza.

A equipe multidisciplinar conta ainda com profissionais técnicos do Centro Cirúrgico, do serviço da Odontologia Hospitalar e as equipes de pneumologia e cardiologia, além dos residentes que acompanham os trabalhos.

Os profissionais envolvidos no trabalho de transplante hepático lembram do papel de destaque do doutor Felipe Felício que foi um grande incentivador deste serviço na instituição. Diretor do HU por ocasião do primeiro transplante, realizado em 25 novembro de 2011, Felício destacou, já naquela época, o nível de complexidade alcançado pela equipe e o potencial de qualificação que este serviço trouxe para o Hospital Universitário.

“Não é qualquer hospital que pode fazer este tipo de procedimento. Com essa conquista, o HU vai se tornando autossuficiente”, disse o médico naquela data, já antecipando o importante papel do hospital nesta área.