Notícias Notícias

Voltar

Hospitais Universitários aderem à campanha “Janeiro Branco”

Cuidados com a vida

Hospitais Universitários aderem à campanha “Janeiro Branco”

Objetivo é conscientizar as pessoas sobre os cuidados com a saúde mental

O “Janeiro Branco” é uma campanha de conscientização em favor da saúde mental, criada em 2014, em Minas Gerais pelo psicólogo Leonardo Abrahão e que hoje cresce em todo o País.  A exemplo de outras campanhas, como o “Outubro Rosa” e o “Novembro Azul”, a iniciativa pretende introduzir uma nova temática na agenda nacional, destacando a saúde mental como condição necessária à vida moderna.

Segundo dados de 2017, fornecidos pela a OMS, a sociedade brasileira é a recordista latino-americana em casos de depressão, a campeã mundial em relação à ansiedade e o 4º colocado em relação ao crescimento das taxas de suicídio entre os jovens da América Central e da América do Sul, o que justifica campanhas desta natureza, como uma importante ação preventiva em relação a essas graves questões e, promovendo a Saúde Mental na vida das pessoas.

No Rio Grande do Norte, as três unidades hospitalares da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN): a Maternidade Escola Januário Cicco (MEJC) e o Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL) em Natal e o Hospital Universitário Ana Bezerra (HUAB) em Santa Cruz, todos administrados pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), planejaram uma programação em prol da Saúde Mental para o mês de Janeiro. Com o tema: “Quem cuida da mente, cuida da vida”, a programação que segue até o dia 27, inclui mesas redondas, palestras, exibição de filmes sobre a temática, rodas de conversas e atividades educativas no Parque das Dunas.

Ações de conscientização também acontecem no Hospital Universitário da Universidade Federal de Pelotas, no Rio Grande do Sul. A programação durante todo o mês conta com rodas de conversa com os funcionários, palestras sobre saúde mental e um espaço de reflexão sobre o tema para compartilhar experiências e trocar informações.

Para Monique Pimentel, psicóloga e chefe do Setor de Gestão de Pessoas da MEJC, algumas pessoas demoram a perceber que estão doentes e a procurar ajuda. “Muitos acham que o sofrimento psíquico é visto como fraqueza e motivo de vergonha”, afirma. “ É preciso vencer o preconceito e falar sobre as dores emocionais, buscando os cuidados necessários, uma simples tristeza pode evoluir para um quadro mais grave é preciso prevenir e promover a saúde mental das pessoas antes que elas adoeçam”, alerta.

Sobre a Ebserh

Estatal vinculada ao Ministério da Educação, a Ebserh administra atualmente 39 hospitais universitários federais. O objetivo da Rede Ebserh é, em parceria com as universidades, aperfeiçoar os serviços de atendimento à população, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), e promover o ensino e a pesquisa nas unidades filiadas.

O órgão, criado em dezembro de 2011, também é responsável pela gestão do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), que contempla ações nas 50 unidades existentes no país, incluindo as não filiadas à Ebserh.