Nossa história Nossa história

Institucional - Nossa História

O HUB
O Hospital Universitário de Brasília (HUB-UnB) é uma instituição pública federal que realiza atendimento exclusivamente de forma gratuita, pelo Sistema Único de Saúde (SUS), e de modo integrado à Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF). Vinculado à Universidade de Brasília (UnB), em 2013 passou a ser gerido administrativamente pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh). Certificado como hospital de ensino desde 2005, o HUB funciona como um importante campo de prática para estudantes de graduação e de pós-graduação, por meio de estágios e programas de residência médica e multiprofissional.

A HISTÓRIA
Uma trajetória de luta e desafios. Assim pode ser descrita a história do HUB-UnB, que começou em 1972 quando foi inaugurado, durante o regime militar. Inicialmente chamado de Hospital do Distrito Federal Presidente Médici (HDFPM), funcionava como uma unidade do Instituto de Pensões e Aposentadoria dos Serviços do Estado (Ipase) – Decreto nº 70.178, 21/02/1972, e era dedicado à atenção exclusiva dos servidores públicos federais, ficando conhecido como Hospital dos Servidores da União (HSU). Nessa época, o hospital atendia à política vigente de atenção à saúde, seguindo o modelo de seguro social que caracterizou o modelo previdenciário no Brasil e na América Latina. Em dezembro de 1979, o HDFPM passou a ser considerado hospital escola da Universidade de Brasília (UnB), por meio de convênio assinado com o Instituto Nacional da Assistência Médica e Previdência Social (Inamps). 

 

Em 1987, foi integrado à rede de serviços do Distrito Federal por meio de novo convênio assinado pela Universidade de Brasília com quatro ministérios, passando a se chamar Hospital Docente Assistencial (HDA) e sendo reconhecido como o 38º hospital universitário brasileiro. Após um processo conturbado, com manifestações públicas de professores e estudantes que exigiam a cessão definitiva do hospital para que pudesse ser administrado plenamente pela universidade, em 3 de abril de 1990 o hospital foi cedido pelo Inamps à UnB, passando a se denominar Hospital Universitário de Brasília (HUB-UnB).

A cessão do hospital para a UnB gerou uma fase delicada de transição entre um hospital exclusivamente assistencial para uma unidade hospitalar universitária, que desenvolvesse também o ensino e a pesquisa. O HUB foi um dos primeiros hospitais do Planalto Central a oferecer assistência especializada. De 1990 até 2004, o HUB sobreviveu a um processo de perda progressiva do quadro de funcionários do antigo Inamps, sofrendo paralelamente a falta de reposição dos postos de trabalho por aposentadorias ou por abandono relacionado aos baixos salários, vivenciando um financiamento oscilante que dependia das relações estabelecidas frequentemente de maneira informal com o gestor local do Sistema Único de Saúde (SUS).

A partir de 2005, o HUB passou a ser administrado e financiado dentro das diretrizes da Portaria Interministerial dos ministérios da Educação (MEC) e da Saúde (MS) nº 1.000, de 15/04/2004, por meio de Termo de Compromisso assinado com o gestor local do SUS, definindo o teto financeiro para o desenvolvimento das suas atividades. Paralelamente, o HUB foi certificado como Hospital de Ensino, de acordo com os critérios estabelecidos nessa portaria, credenciamento que permanece até hoje, conforme as disposições da Portaria Interministerial MEC/MS nº. 2400, de 02/10/2007. 

Em 2008 foi aprovado pelo Conselho Superior Universitário (Consuni) o regimento do hospital que, após mais de dois anos de debates internos, consagrou a inserção da instituição no SUS como uma das suas características essenciais, estabelecendo as atividades de mais dois conselhos, o Conselho Deliberativo (CDE) e o Conselho Comunitário e Social (CCS) – primeira tentativa de legitimar a participação da comunidade, com possibilidade de ações de controle social. Nesse mesmo ano, a história do HUB ficou marcada pela decisão do Conselho Deliberativo de destinar 100% da capacidade instalada de internação e de produção de serviços para o SUS, abandonando uma tentativa falida de atendimento a particulares e usuários de convênios e planos de saúde, que foi prejudicial para a instituição ao permitir a prática de duas “portas” de acesso ao hospital. Em 2008 também foi iniciada a implantação da Política Nacional de Humanização, fortalecendo o alinhamento com as políticas assistenciais prioritárias para o SUS. 

Em 2012, o Consuni da UnB aprovou a adesão à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), empresa pública criada pela Lei 12.550/11. Em 17 de janeiro de 2013, a UnB transferiu a administração do HUB para a Ebserh, com a qualificação da equipe gestora, saneamento financeiro e contratação de funcionários no regime de trabalho regido pela Consolidação das Leis de Trabalho (CLT). O quadro de pessoal do HUB passou a contar então com profissionais de diferentes vínculos: servidores da UnB, empregados Ebserh, cedidos do Ministério da Saúde e da Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) e terceirizados. 

Em 19 de janeiro de 2017, o HUB assinou novo contrato de prestação de serviços com a SES-DF, passando a ofertar a estrutura do hospital para atender a população do DF, de acordo com os critérios de regulação da secretaria.

LINHA DO TEMPO: DESTAQUES
1972: Inaugurado como Hospital do Distrito Federal Presidente Médici.
1977: Realizado o primeiro transplante renal do Centro-oeste.
1979: Passou a ser administrado pela UnB.
1987: Passou a ser chamado Hospital Docente Assistencial (HDA) e foi integrado à rede de serviços do DF, sendo o 38º hospital universitário brasileiro.
1990: Cedido formalmente à UnB pelo Inamps; passou a se chamar Hospital Universitário de Brasília; houve perda de funcionários e o financiamento era oscilante.
1991: Criado o Serviço de Estudos e Atenção a Usuários de Álcool e outras Drogas.
1996: Criado o Projeto Com-Vivência (ações integradas de estudo e atendimento a pessoas com HIV/Aids e familiares).
2001: Criado o Programa de Transexuais.
2002: Inaugurado o Centro de Medicina do Idoso, hoje chamado de Unidade de Atenção à Saúdo do Idoso.
2005: Certificado como hospital de ensino e financiado conforme portaria interministerial MEC/MS.
2006: Criado o Centro de Transplantes, hoje chamado de Unidade de Transplantes.
2008: Criado o Centro de Saúde Auditiva e realizado o 1º implante coclear do Centro-Oeste.
2009: Inaugurado o Centro de Alta Complexidade em Oncologia (Cacon).
2010: Implantada a Residência Multiprofissional; inaugurados os serviços de Telemedicina e o prédio da Unidade de Saúde Bucal/Farmácia Escola.
2012: Aprovada pelo Consuni da UnB a adesão da universidade à Ebserh.
2013: Assinado contrato de gestão entre UnB e Ebserh; realizado concurso público nas áreas administrativa, médica e assistencial; criado o Ambulatório de Saúde Indígena.
2014: Criado o Núcleo de Regulação Interna; elaborado o Plano Diretor Estratégico 2014-2015; realizada a primeira pesquisa de satisfação com usuários, que permanece anualmente.
2015: Lançada a Carta de Serviços do HUB; realizado 500º transplante de córnea.
2016: Inaugurados o Laboratório de Hemodinâmica e a Brinquedoteca Renato Russo.
2017: Assinado novo contrato de prestação de serviços com a SES-DF; elaborado o Plano Diretor Estratégico 2017-2021; recebidos os certificados Número de Notificações em Tecnovigilância (GDF) e Padrão Ouro da Rede Global de Bancos de Leite Humano (Ministério da Saúde e Fiocruz).

DIRETORES E SUPERINTENDENTES
1972: Élio Artuíno 
1972 – 1980: José de Ribamar Pinto Serrão
1980 – 1981: Edson Porto
1981 – 1982: Iphis Tehfuss Campbell
1982 – 1985: João Herman Duarte Sampaio
1985 – 1986: Francisco Aires Corrêa Lima
1986 – 1987: Evane Soares
1988 – 1989: Eduardo Flávio Oliveira Queiroz
1989 – 1990: Marco Antônio Vieira Paschoal
1990 – 1993: Ruy Bayma Archer da Silva
1994 – 2000: Elias Tavares de Araújo
2000 - 2001: André Luiz Vianna
2001 – 2006: Cláudio Bernardo Pedrosa de Freitas
2006 – 2007: Tânia Torres Rosa
2007 – 2008: João Batista de Sousa
2008 – 2011: Gustavo Adolfo Sierra Romero
2011 – 2012: Armando Raggio
2012 – 2017: Hervaldo Sampaio Carvalho (superintendente)
2017 (atual): Elza Ferreira Noronha (superintendente)