Notícia Notícia

Voltar

Grupo de apoio comemora 15 anos com festa no HUB

Hanseníase

Grupo de apoio comemora 15 anos com festa no HUB

Associação reúne mulheres atingidas pela doença e defende direitos e autoestima das pacientes

Teve lanche, exposição de fotos e distribuição de canecas. Tudo para comemorar os 15 anos do Grupo de Apoio às Mulheres Atingidas pela Hanseníase (GAMAH). O local escolhido para a festa, realizada nesta quarta-feira (9), foi o Hospital Universitário de Brasília (HUB-UnB). “É muito importante comemorar porque estamos fazendo 15 anos de bons serviços prestados à comunidade. Escolhemos o HUB porque foi aqui que nós nascemos”, afirma a idealizadora do grupo, Marly Araújo. 

A festa reuniu integrantes do GAMAH, profissionais da equipe do HUB, pacientes e pessoas que apoiam o trabalho do grupo. “A hanseníase precisa de uma atenção social e psicológica. São pacientes sofridos, geralmente de camadas sociais mais desfavorecidas. Sem o apoio de instituições sociais, o nosso trabalho é em vão e até o tratamento pode ser prejudicado”, explica o médico dermatologista responsável pelo atendimento de hanseníase no HUB, Ciro Gomes.

A aposentada Maria Rocha, de 71 anos, começou a tratamento da hanseníase com 11 anos de idade. Assim que o grupo surgiu, em 2003, ela fez questão de participar. “Quando alguém descobre que está com hanseníase, fica triste e revoltado. O que me motiva é poder ajudar outras pessoas a descobrir a doença e saber que tem tratamento e cura”, explica Maria. 

A dona de casa Nely de Paiva, de 53 anos, também entrou no grupo logo no início, dois anos depois de descobrir a hanseníase. “Foi um susto quando descobri a doença. Não conhecia, fiquei muito deprimida e com medo do preconceito. O grupo me ajudou muito, conheci outras pessoas que passavam pelo mesmo que eu, uma ajudava a outra, e consegui sair da depressão. Hoje ajudo outras pessoas e dou aulas de artesanato”, conta Nely.

Conheça o GAMAH
O Grupo de Apoio às Mulheres Atingidas pela Hanseníase (GAMAH) teve início no dia 8 de maio de 2003, na sala de espera do serviço de Dermatologia do HUB. O objetivo é defender os direitos das pessoas com hanseníase e melhorar a autoestima. Atualmente, são 50 famílias assistidas. 

A renda vem com a venda de trabalhos manuais, como bordados, biscuits, tapeçarias e bijuterias. Para a compra dos materiais necessários para a produção, o grupo conta com doações. O dinheiro arrecadado com a venda dos produtos é destinado às próprias pacientes, já que muitas ficaram desempregadas por causa da doença. 

Quer ajudar ou participar do grupo? Entre em contato pelos telefones 3388-2418 ou 99963-6843.

Sobre a doença
A hanseníase é uma doença causada por um micróbio chamado Bacilo de Hansen, que normalmente ataca a pele, olhos e nervos. A transmissão se dá pelas vias aéreas, quando o contato é íntimo e frequente. O sinal de alerta para a doença são feridas dormentes na pele que não cicatrizam. Nesse caso, o ideal é procurar um médico. Com um diagnóstico precoce, a hanseníase tem tratamento, cura e deixa de ser contagiosa já com a primeira dose do medicamento.

Imagens:

Assessoria de Comunicação do HUB