Notícia Notícia

Voltar

Pacientes da Clínica Geral ganham festa de carnaval

Alegria

Pacientes da Clínica Geral ganham festa de carnaval

Evento teve máscaras, decoração especial e visita de integrantes de baterias

A alegria do carnaval tomou conta dos corredores da Unidade de Clínica Geral do Hospital Universitário de Brasília (HUB-UnB) nesta terça-feira (31). Com direito a máscaras, decoração especial e até bateria, a festa reuniu pacientes, acompanhantes e toda a equipe do setor. O que não faltou foi animação. “Foi maravilhoso, tem tudo a ver com meu alto astral”, contou a dona de casa Neide Teixeira, internada para tratar um linfoma com sessões de quimioterapia.

A preparação da festa começou há alguns dias, com a confecção das máscaras e a decoração do espaço, tudo com a participação dos pacientes. “É uma forma de aproximar os pacientes do que está acontecendo lá fora. Com esse estímulo, eles ficam participativos e se sentem mais produtivos”, explicou a terapeuta ocupacional Maria Luísa Andrade.

Além da decoração e das máscaras, a festa contou com a participação de uma bateria. São estudantes de medicina de quatro universidades do Distrito Federal: Universidade Católica de Brasília (UCB), Centro Universitário de Brasília (UniCEUB), Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS) e Faculdades Integradas da União Educacional do Planalto Central (Faciplac).

O grupo, com 22 alunos, todos voluntários, garantiu a alegria da festa. “Estou envolvido com música desde os dez anos de idade, mas nunca tinha participado de uma ação tão bonita como essa. Ajuda o paciente e é muito gratificante para todos nós”, afirmou o estudante do sexto semestre de medicina da UCB, Daniel Gustavo Gonçalves.

A ideia de trazer a bateria para o hospital foi da residente em oncologia Patrícia Espino, natural de Salvador e apaixonada pelo carnaval. “Toda equipe tem um carinho muito grande pelos pacientes e muitos deles têm uma internação mais prolongada, então é uma forma de trazê-los para um mundo mais lúdico”, assegurou Patrícia.

Quem não conseguiu ir até o hall de entrada da unidade para participar da festa, recebeu a visita da bateria e dos profissionais no quarto. Foi o caso do taxista Ataíde Miranda, que trata um câncer de reto. “Está divertido, eles estão alegrando o ambiente, dá para distrair um pouco com a música”, confirmou ele.

“Tem paciente internado aqui há mais de cem dias e eles perdem a referência do que está acontecendo lá fora. Olha quanta energia boa essa galera trouxe para cá hoje. Quebrou a rotina e isso é totalmente benéfico, inclusive para o tratamento”, garantiu a chefe do setor, Daisy Mendonça. “É muito bom para descontrair, muda o astral, a cabeça melhora um pouquinho”, completou o aposentado João Maria de Sousa, que trata um câncer de mama.

Imagens:

Assessoria de Comunicação do HUB