Notícias Notícias

Voltar

Mulheres são maioria na gestão do HUB

Dia da Mulher

Mulheres são maioria na gestão do HUB

Conheça o time feminino que batalha diariamente pela qualidade do serviço oferecido pelo hospital

A enfermeira Alaíde de Castro percorreu um longo caminho para conquistar a realização profissional. Mineira, começou a trabalhar aos 13 anos na loja da tia na cidade de Cataguazes. Depois de concluir os estudos em escolas públicas, foi com o dinheiro do trabalho que pagou o cursinho que garantiu o ingresso no curso de enfermagem na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em 1995. Em busca de conciliar trabalho e estudo, que sempre foi o seu foco, depois de formada Alaíde foi para o Rio de Janeiro, retornou para Cataguazes e, em 2004, chegou a Brasília aprovada no concurso do então Incor, hoje Instituto de Cardiologia do Distrito Federal (ICDF). 

Em 2006, foi convocada pela Fundação Universidade de Brasília (FUB), quando deu início a sua história com o Hospital Universitário de Brasília (HUB-UnB), que dura até hoje. No HUB, foi enfermeira do Centro Cirúrgico e da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH), chefe do Setor de Vigilância em Saúde e da Divisão de Enfermagem e atualmente ocupa a gerência de Atenção à Saúde (GAS).

Casada e mãe de dois filhos, Alaíde conta que hoje se sente realizada. “Consegui o que sempre planejei, ter uma boa profissão, uma remuneração adequada para o que eu exerço e poder participar das tomadas de decisões em relação ao trabalho. Tudo isso, graças ao estudo”, garante.

No Dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 de março, a história de Alaíde reflete a visão da gestão atual do HUB: mulheres tomando decisões e contribuindo para oferecer um serviço de qualidade. “Queremos fazer uma gestão feminina, mas não só de mulheres. Queremos o olhar feminino, inclusive dos homens”, afirma a superintendente do HUB, Elza Noronha.  

Elza é mais uma mulher que, atualmente, ocupa o cargo mais alto na gestão do hospital. Professora e doutora em medicina tropical, ela foi indicada, por unanimidade, pelo Conselho da Faculdade de Medicina da UnB, com a confirmação das faculdades de Ciências da Saúde e de Ceilândia, para ocupar a superintendência do HUB no início de 2017.

Elza e Alaíde são apenas duas das 37 mulheres que hoje ocupam cargos de gestão no HUB. No total, são 71 gestores, o que significa que elas representam 52% desses profissionais. Cenário que se repete quando avaliamos o número de funcionários do hospital. No total, são 2.634 trabalhadores, sendo 1.865 mulheres, o que corresponde a 70% do quadro do hospital.

Outros exemplos
A farmacêutica Dayde Mendonça é carioca e concluiu a graduação, o mestrado e o doutorado na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Chegou em Brasília em 2004 e em 2010 entrou na Universidade de Brasília (UnB) como professora da Faculdade de Ciências da Saúde (FS-UnB) e passou a desenvolver atividades de ensino, pesquisa e extensão no HUB. Em outubro do ano passado, assumiu a Gerência de Ensino e Pesquisa (GEP) do hospital.

Casada e mãe de duas filhas, Dayde acredita que a presença da mulher traz um olhar diferente para a gestão. “O diferencial da mulher na gestão é manter a essência feminina do cuidado, sem se preocupar em ter que assumir um perfil mais masculino para ser respeitada. Assim, conseguimos criar ambientes mais saudáveis e colaborativos”, afirma.

O caminho da licenciada em letras Vanilda Coelho até chegar à chefia da Divisão Administrativa e Financeira (DAF) do HUB também foi longo e de muita dedicação. Em 2003, concluiu a graduação em letras em Patos de Minas (MG). Três anos depois, fez uma especialização em docência em Anápolis (GO). Foi professora durante sete anos e em 2010 entrou para a FUB como técnica em assuntos educacionais. Já iniciou o trabalho no HUB, na Unidade de Compras. Menos de um ano depois, assumiu a chefia da unidade e se especializou em gestão em administração pública. Em 2013, foi nomeada chefe do Setor de Administração e, em 2016, da DAF, quando concluiu o mestrado em economia e finanças públicas na UnB e passou a substituir também o gerente Administrativo nos casos de ausência.

Casada e mãe de um filho, Vanilda concilia gestão, família e a paixão pela corrida. “Aproveito cada minuto do meu dia, não deixo nada para depois. Trabalhar aqui no HUB é um desafio e me sinto realizada porque faço o que eu gosto. Saio cansada, mas com a sensação de dever cumprido. Chego em casa, encontro minha família e fortaleço minhas energias para iniciar o próximo dia com novos desafios”, conta.

Mensagem do HUB
As histórias das mulheres que você conheceu mostram o perfil não só de gestoras, mas de funcionárias que o HUB espera construir: mulheres realizadas na vida pessoal e profissional que participam ativamente das decisões do hospital. Nesta data, o HUB homenageia todas as trabalhadoras da instituição que deixam sua marca incomparável em cada trabalho realizado e fazem deste hospital um local mais humano, sólido e qualificado. 

Assessoria de Comunicação do HUB