Notícias Notícias

Voltar

Parceria com a Shriners Brasil vai modernizar o setor de fissurados do HULW

Parceria

Parceria com a Shriners Brasil vai modernizar o setor de fissurados do HULW

O Setor de Fissurados do HULW realiza, em média, 80 atendimentos mensais.

A organização internacional Shriners propôs, à Universidade Federal da Paraíba (UFPB), a reforma do Setor de Fissurados do Hospital Universitário Lauro Wanderley (HULW) e instalação de uma nova sala cirúrgica. Localizado no Ambulatório do hospital-escola, no andar térreo do prédio, o setor oferece tratamento multidisciplinar a pacientes portadores de Fissuras Labiopalatinas (FLP).

A Shriners International é uma entidade paramaçônica, dedicada à filantropia, que mantém 22 hospitais para crianças na América do Norte, nove dos quais dedicados especificamente à área de reconstrução de lábio e palato fissurado. Os hospitais da instituição são referências nessa e em outras três áreas de cuidados médicos para crianças, além de desenvolverem pesquisas de ponta - expertise que a Shriner pretende agora colocar à disposição na América do Sul.

Na Paraíba, a UFPB foi escolhida como parceira na intenção de apoiar a oferta dos serviços médicos e demais cuidados, em âmbito regional, para pacientes com FLP de todas as idades. Brasileiros tratados localmente poderão, conforme o caso, ser encaminhados a outras unidades do sistema de hospitais Shriners.

O projeto foi apresentado à reitora Margareth Diniz em seu gabinete, na tarde de 24 de novembro, pelo presidente da Shriners Brasil, o médico Antonio Kato, acompanhado pelo vice-presidente da entidade Marcos Hans e o diretor do templo Hikmat Shriners de Mato Grosso, Mauro Rogério.

A comitiva foi composta, ainda, pelos membros do Clube Shriners da Paraíba: o presidente local Euler Macêdo (da UFPB), Almir de Araújo Oliveira (da Polícia Federal) e Sebastião Vilela (do IBGE). Representando o Serviço de Fissurados do HULW, estavam presentes o coordenador do setor Dr. Paulo Germano e os especialistas André Macedo Luna (médico) e Rosa Helena Wanderley Lacerda (odontóloga).

De acordo com a proposta, passarão inicialmente por reparos e ambientação, as salas de atendimento médico, odontológico, fonoaudiológico, de enfermagem, de serviço social e de recepção. Posteriormente, será instalada a sala cirúrgica para retomada de alguns serviços atualmente desativados. O projeto de reforma foi elaborado pelo escritório paraibano de arquitetura Bob Neto e será executado com recursos próprios da Shriners, oriundos de doações. As obras têm início previsto para janeiro de 2018, após a formalização do convênio.

Fissuras Labiopalatinas

De acordo com o coordenador do Setor de Fissurados do HULW e cirurgião pediátrico Paulo Germano, as FLPs são malformações congênitas (de nascença) que atingem o terço médio da face e deformam o nariz, o lábio, o arco dento-alveolar e o palato, que é o céu da boca. Elas também comprometem, de forma acentuada, a fala e a estética facial, levando a criança à problemas de socialização.

O especialista explica que o tratamento e a recuperação do paciente são um processo longo, que inclui cirurgias, fonoaudiologia e ortodontia. As FLPs ocorrem na proporção de um caso para cada grupo de 650 nascimentos. A Paraíba, por estimativa, tem hoje cerca de cinco mil casos. Pela equipe do HULW, já foram atendidos mais de 2 mil pacientes nos últimos anos.

“O Serviço de Fissurados do hospital universitário da UFPB é um dos raros centros do Norte e Nordeste que oferecem o tratamento. O HULW, com apoio do Hospital Arlinda Marques, é referência em nosso Estado e está, ao lado de hospitais do Recife e de Salvador, entre os únicos no Nordeste a oferecerem atendimento global, considerando todas as necessidades biológicas, psicológicas e sociais dos pacientes”, destaca Germano.

O Setor de Fissurados do HULW realiza, em média, 80 atendimentos mensais. Ao todo, são 12 profissionais que se dedicam especificamente a esse trabalho, nas áreas médica, odontológica, assistencial e demais serviços de apoio.

“A participação da iniciativa privada e de organizações do terceiro setor é de grande importância nos serviços públicos de saúde de qualquer país e é fundamental em um serviço de alta complexidade como o nosso. Instituições internacionais, como Smile Train e Shriners, já fazem a diferença e poderemos, em curto prazo, dobrar a capacidade de atender crianças e adultos nascidos com fissuras”, aponta o cirurgião.

Sobre a Ebserh

Estatal vinculada ao Ministério da Educação, a Ebserh administra atualmente 39 hospitais universitários federais. O objetivo da Rede Ebserh é, em parceria com as universidades, aperfeiçoar os serviços de atendimento à população, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), e promover o ensino e a pesquisa nas unidades filiadas.

O órgão, criado em dezembro de 2011, também é responsável pela gestão do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), que contempla ações nas 50 unidades existentes no país, incluindo as não filiadas à Ebserh.

Fonte: 

ACS | Produzido pela Assessoria de Comunicação UFPB

 

Imagens: