Notícias Notícias

Voltar

Estudantes de Medicina da UFRN participam de intercâmbio em Cabo Verde

EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL

Estudantes de Medicina da UFRN participam de intercâmbio em Cabo Verde

Médica do HUOL é uma das responsáveis pelo projeto

Até o dia 31 deste mês a cidade da Praia, capital de Cabo Verde, conta com a presença de 12 estudantes de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), que participam do “Djunta Med” BRASIL-CABO VERDE. Trata-se de um projeto de intercâmbio entre estudantes do 6º período do curso de Medicina da UFRN e acadêmicos da primeira turma de Medicina da Universidade de cabo Verde (UNICV).

O objetivo geral é analisar, compreender e vivenciar o manejo ambulatorial de pacientes portadores do vírus HIV/SIDA nos sistemas públicos de saúde do Brasil e Cabo Verde, e mensurar a qualidade de vida e de assistência às pessoas que vivem com HIV/SIDA no município da Praia.

A médica infectologista do Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL), Manoella do Monte Alves, e a também infectologista Mônica Baumgardt Bay, ambas do Departamento de Infectologia da UFRN, são as professoras responsáveis.

O vocábulo “Djunta” na língua Cabo-verdiana, crioulo, significa “unir, aproximar, ligar, mesclar, aliar”. “E este é o objetivo do “Djunta Med”, criar um ambiente de união e cooperação, enfatiza Mônica Bay.

As informações são da Tribuna do Norte; a íntegra da matéria está no site do jornal.

 

Sobre a Ebserh

Desde agosto de 2013, o Huol-UFRN é filiado à Ebserh, estatal vinculada ao Ministério da Educação, que administra atualmente 39 hospitais universitários federais. O objetivo é, em parceria com as universidades, aperfeiçoar os serviços de atendimento à população, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), e promover o ensino e a pesquisa nas unidades filiadas.

O órgão, criado em dezembro de 2011, também é responsável pela gestão do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), que contempla ações nas 50 unidades existentes no país, incluindo as não filiadas à Ebserh.

Por Cassiano da Cunha