Notícias Notícias

Voltar

Crianças internadas no HUSM voltam a ter atendimento pedagógico

reforço escolar

Crianças internadas no HUSM voltam a ter atendimento pedagógico

Telas pintadas com tinta guache, borboletas, árvores e bonecas em EVA fixadas nas paredes, móveis com nova disposição na sala de convivência do Centro de Tratamento para Crianças com Câncer (CTCriac), atividades de reforço escolar junto ao leito. A mudança é percebida por pais, pacientes e funcionários do setor.

Desde junho, além da equipe multiprofissional que presta assistência as crianças e adolescentes internados, um outro time, do Projeto Educa Ação Lúdica Hospitalar, se somou para dar atendimento pedagógico. Uma docente e acadêmicos dos cursos de Pedagogia, Enfermagem, Psicologia, Educação Especial e Medicina – que chegaram através do projeto institucional Vivências – estão trabalhando a questão lúdica dentro do CTCriac e também na Turma do Ique.

De segunda a quinta-feira, nos turnos da manhã e tarde, eles realizam atendimento individual com os pequenos. Cada atendimento, que ocorre no leito do paciente, dura em torno de 1h, 1h30min.

- É o tempo do acolhimento, da conquista, do jogar. As atividades são de acordo com a faixa etária e a necessidade do paciente que está internado. Por exemplo, tem crianças que são alfabetizadas e outras, do ensino médio, que precisam do inglês, da matemática. – Afirma Jane Schumacher, professora responsável pelo projeto.

Cerca de 80 pessoas serão atendidas no projeto. O grupo tem a lista das escolas onde os pacientes estudam e fazem contato solicitando a grade curricular e os conteúdos que vinham sendo trabalhado em sala de aula.

- A gente encaminha um documento falando desse direito que ele tem de ser assistido tanto pela escola quanto pelo hospital, e a escola nos encaminha o material.  –  conta Jane.

De acordo com a equipe, a aceitação dos pacientes está sendo muito boa. É visível a diferença no estado de ânimo do paciente antes e depois da visita do grupo.

- Quando a gente entra no quarto e quando sai, eles já demonstram outros tipos de emoções - afirma Jane.

Tatieli Correa, mãe de um menino de 7 anos que está internado no CTCriac, elogiou o trabalho da equipe do Projeto Educa Ação Lúdica Hospitalar.

- Aqui estava bem desanimado. Não tinha ninguém para interagir, brincar. Agora a energia é outra – afirma.

Não é de hoje que, além de todo cuidado médico e assistencial, as crianças em tratamento de saúde no HUSM contam com o apoio incessante do Setor Educacional/Classe Hospitalar. O hospital é um dos únicos três do Estado que oferecem esse serviço aos pequenos. Não é por estar hospitalizado que o aluno de Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio ficará afastado do ensino-aprendizagem. A pedagoga Leodi Meireles Ortiz – que liderou essa ação durante muitos anos – se aposentou no ano passado. Essa lacuna foi preenchida pelo grupo da professora Jane Schumacher, que chegou determinado a também deixar seu legado para a classe escolar do hospital universitário

 
 

 

Imagens: