Notícias Notícias

Voltar

Superintendente do HUSM apresenta relatório de gestão da Ebserh a prefeitos da região

transparência

Superintendente do HUSM apresenta relatório de gestão da Ebserh a prefeitos da região

A Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) proporcionou não apenas 827 vagas de emprego no Hospital Universitário de Santa Maria. Nesses quase 4 anos de gestão, ampliou o número de leitos e de consultas especializadas para os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) dos 45 municípios da região atendidos pelo hospital. Além disso, promoveu melhorias nos processos de e transparência e agilidade no agendamento online de consultas. Essas informações fazem parte de um relatório de prestação de contas apresentado pela superintendente do HUSM, Elaine Resener, na manhã do dia 31 de maio, aos prefeitos e secretários de saúde da Associação dos Municípios da Região Centro do Estado -  AMCentro. O encontro ocorreu na sede da associação.

- Era o mínimo que poderíamos fazer tendo em vista o apoio recebido dos prefeitos, na época da adesão a Ebserh. É importante que eles estejam informados sobre a trajetória da empresa no hospital e como essa gestão impactou de forma positiva no atendimento dos pacientes vindos de todos os municípios vizinhos – afirmou a superintendente.

Avanços na área assistencial

Dentre os indicadores, os de maior impacto são os de oferta de consultas especializadas – antiga reivindicação dos prefeitos. A Ebserh investiu na contratação de especialidades médicas não disponíveis na região ou com grande lista de espera. Em razão da incorporação desses novos profissionais no quadro de servidores, houve a ampliação no número de consultas ofertadas mensalmente, que pulou de 9 mil, em 2015, para quase 15 mil, a partir de 2016. Um incremento de 38.65%.

Ainda assim, a superintendente solicitou apoio dos governantes municipais para que ajudem a reduzir o índice de absenteísmo (hoje em torno de 30%). Segundo ela, a ausência de parte desses pacientes nas consultas agendadas pelos municípios gera desperdício no hospital.

– Esses profissionais estão lá disponíveis no dia e horários marcados. Se o paciente não vem, além de tirar vaga de quem precisa, gera desperdício dessa estrutura montada para atendê-lo – salientou Elaine.

As internações também seguem essa curva ascendente, com aumento de 34.42%. Em números absolutos significa que até 2015, a média de pacientes internados/mês era de 950. Desde 2016, são 1.277, sendo que em 2017 já atingimos mais de 1.400 internações/mês, atenuando de forma significativa a redução regional de leitos.

Quanto ao número de leitos o HUSM passou de 320, em 2015, para 403 atualmente. No segundo semestre esse ano deve aumentar ainda mais, após a incorporação dos novos leitos previstos na Central de UTIs. Com esse número, o HUSM já atingiu a categoria de hospital de grande porte, que o coloca em outro patamar no cenário nacional.

Novos exames para diagnósticos de doenças também foram incorporados: angiologia coronariana, cintilografia cardíaca, Iodo terapia Ambulatorial, Cirurgia Radio guiada, teste de condutividade do Suor, Telepack-x e, mais recentemente o CT do Bem – redução na dose de radiação empregada no exame de tomografia multislice, seguida de tratamentos de imagem que geram biomodelos usados no planejamento cirúrgico.

Melhorias nos fluxos de gestão interna

Uma série de ações de diagnóstico e melhorias na regulação do HUSM organizaram as portas de entrada de pacientes no hospital, melhorando os fluxos nos ambulatórios com agenda para blocos de horários, consultas casadas com exames, diminuindo o tempo de espera e permanência do paciente no hospital.

Essa regulação somada à implantação do Aplicativo de Gestão para os Hospitais Universitários (AGHU) e a adesão ao SISREG (sistema do Governo Estadual que faz a organização de entrada dos pacientes pelos municípios) possibilitou – desde agosto de 2015 – o agendamento online de consultas. Funciona da seguinte forma: até o dia 10 de cada mês, o Setor de Regulação e Avaliação em Saúde do HUSM lança no sistema SISREG o número de consultas a ser ofertadas do mês seguinte, bem como as especialidades médicas disponíveis e os horários que os profissionais irão atender. Os municípios entram no sistema e realizam o próprio agendamento.

- Esse sistema resultou em agilidade e transparência na marcação de consultas – relatou a superintendente.

A implantação do AGHU que, desde metade do ano passado, concluiu os módulos de Consultas e Internações proporcionou o chamado faturamento integral nessas duas áreas. Na prática, significa que nenhum procedimento realizado fica sem o devido registro para que o governo ressarça o serviço prestado.

Vale destacar ainda a implantação do Painel de Gestão que, em tempo real, mostra na tela do computador as consultas, exames e cirurgias que estão ocorrendo no hospital, quantos pacientes compareceram, quantos faltaram, bem como a taxa de ocupação dos leitos, até quantos pacientes estão internados em cada unidade. Também foi desenvolvido um painel de gestão de leitos por unidade, mostrando a cada momento os leitos ocupados e livres.

Investimentos no Ensino

O número de programas de Residência Médica – que já vinham sendo ampliados desde 2010 - tiveram um incremento de 41% após a adesão à Ebserh. Atualmente o HUSM oferece 44 programas de Residência Médica. O incremento no número de vagas foi de 47%. Passou de 190 para mais de 278 residentes. Médicos já formados que permanecem em especialização no HUSM por um período que varia de 2 a 3 anos em atendimento direto a população regional e são requisitados devido a sua formação em unidades de saúde do país.

Os cursos de graduação que cresceram na forma de novos cursos e em número de alunos, também foram contemplados em seus campos de estágio com as devidas preceptorias especializadas.

Melhorias reconhecidas na pesquisa de satisfação

A Ouvidoria do Hospital Universitário aplica – semestralmente – uma extensa pesquisa de satisfação aos usuários do SUS que utilizam os serviços prestados pelo HUSM. São ouvidas, em cada uma delas, mais de 600 pessoas. Todas respondem 11 perguntas para avaliar desde a infraestrutura física (banheiros, consultórios, antessalas) até tempo de espera para atendimento. O índice geral de satisfação fica em torno de 97,5%.

No final do encontro com os prefeitos e secretários de saúde, ficou pactuado que, no segundo semestre deste ano, o hospital irá sediar a I Jornada sobre Regulação em Saúde para tratar os fluxos internos de encaminhamento de pacientes, além de visitas guiadas dos mesmos no âmbito do HUSM.

Imagens: