Notícias Notícias

Voltar

AFAB completa duas décadas no acolhimento de pessoas em sofrimento mental

projeto de extensão

AFAB completa duas décadas no acolhimento de pessoas em sofrimento mental

  Quando iniciou suas atividades, em maio de 1997, com certeza a Associação de Familiares, Amigos e Bipolares de Santa Maria (AFAB) – a primeira associação voltada à bipolaridade do Brasil – não imaginava onde iria chegar. Com estrutura modesta, permaneceu seus primeiros 6 anos oferecendo acolhimento para pessoas com transtorno de humor e seus familiares, através de grupos terapêuticos, porém, sem espaço físico próprio.  Em 2003, inaugurou sua sede no hall de acesso ao Ambulatório de Psiquiatria do Hospital Universitário de Santa Maria (HUSM) e a associação passou a ter um local para esse acolhimento. Permaneceu ali por 12 anos.

  Há dois anos, em 2015, já como projeto de Extensão da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), mudou de sede. A partir da disponibilização de duas salas através da Pró-Reitoria de Extensão da universidade, começou a atender no prédio do antigo hospital universitário, na Rua Floriano Peixoto, 1750, no Centro de Santa Maria.

  Contudo, não foi só o endereço que mudou. O perfil da associação também foi ampliado e com ele, novos projetos foram agregados, como por exemplo, o Comunidade de Fala e o CineMental (veja o quadro abaixo).

- A AFAB ampliou tanto que quando fomos para esse novo espaço, criamos outro serviço, que é o Espaço Nise da Silveira. Porque a AFAB, pelo próprio nome, já não cabia mais em si própria. As pessoas que nos procuram não estão mais associadas a um diagnóstico de transtorno de humor. Há pessoas com depressão, com ansiedade, com outros transtornos, familiares de pessoas com esquizofrenia, com TOC e mesmo algumas pessoas que não tem diagnósticos psiquiátricos, mas no momento estão precisando de auxílio emocional – afirmou Martha Helena Noal, psiquiatra e coordenadora da associação.

  A AFAB e o Espaço Nise da Silveira são considerados locais de acolhimento. De forma alguma, de acordo com a psiquiatra, as ações promovidas por eles,  substituem o tratamento clínico.

- As atividades oferecidas por nós são complementares ao tratamento medicamentoso. Nosso foco é a inclusão, reabilitação, empoderamento e quebra de estigma quanto ao usuário. Então, o Espaço Nise é um nome que dá muito mais abertura para as pessoas não terem constrangimento de buscar ajuda. Recebemos qualquer pessoa ligada à saúde mental. O nome Nise, ao homenagear a psiquiatra alagoana precursora da humanização nos tratamentos psiquiátricos no Brasil,  representa qualidade de vida, promoção de vida, – explica Martha.

- O objetivo desse projeto é mostrar para as pessoas que elas são capazes. Quebrar esse estigma que existe de que as pessoas com transtornos não tem capacidade de ter uma vida normal. Tanto pode ter uma vida normal, quanto pode ter uma vida saudável, plena e feliz – afirma Elisangela Costa, coordenadora do Projeto Comunidade de Fala, uma das ações desenvolvidas na AFAB.

  A pró-reitora de Extensão da UFSM ,Teresinha Weiller, reconhece a importância da AFAB não somente no acolhimento aos usuários, mas também para a formação acadêmica.

- É um dos projetos, sem sombra de dúvida, de maior longevidade da universidade. E tem se revelado um espaço de formação acadêmica na medida em que possibilita que nossos estudantes possam dialogar com os pacientes e seus familiares, construindo novas possibilidades de vivência – acredita.

  Quanto ao futuro da AFAB e do Espaço Nise da Silveira, obviamente, que todos os membros e usuários desejam sua manutenção e crescimento. Contudo, para que as ações e projetos sejam desenvolvidos, há sempre grandes desafios.

- Minha ambição é poder ter permanência e solidez nos projetos que já desenvolvemos. Mas a AFAB é sempre uma surpresa. Sempre foi mais longe do que se ambicionou ir. Não sei dizer onde chegará nos próximos 20 anos. Uma preocupação é tornar o projeto sustentável – revela Martha.

- A AFAB é uma associação muito democrática. Ela permite que todas as pessoas - não importa a idade, de onde venham - possam participar. Então, nesses próximos muitos anos da AFAB eu desejo que a associação se fortaleça e fortaleça a saúde mental de Santa Maria e do Brasil – afirma Katiusci Machado, vice-presidente da associação.

 

Ações

Ponto de Leitura Sérgio Walter – Iniciou em 2008, a partir do Prêmio Machado de Assis, do Ministério da Cultura.  O nome é uma homenagem ao idealizador da AFAB, já falecido. O acervo conta com cerca de 800 títulos de literatura infantil, infanto-juvenil, Brasileira e livros sobre Saúde Mental.

Grupos Terapêuticos – Acontecem na primeira quarta-feira do mês e terceira terça-feira do mês na sede da AFAB. Usuários e familiares se reúnem para troca de experiências, com intuito de aprender sobre a doença. Nessas duas décadas já passaram pela AFAB mais de 210 grupos e mais de 4,5 mil pessoas.

Projeto Comunidade de Fala – Chegou a AFAB em abril de 2015, proposto pelo ativista norte-americano Richard Weingarten. Usuários participaram de oficinas para desenvolverem métodos para contar suas histórias de superação das doenças mentais. Objetivo é derrubar o estigma de que as pessoas com transtornos não podem ter uma vida normal.

Grupo de Testemunhos – Parceria com a Residência Multiprofissional. É realizada uma vez por mês, na Unidade Paulo Guedes. Dois integrantes da AFAB conversam com os pacientes internados. São depoimentos de pessoas que tiveram adoecimento psíquico grave e superaram a doença.

Projeto de Extensão Promoção da Vida e Prevenção do Suicídio – Projeto em parceria com o Núcleo de Vigilância Epidemiológica. Já realizou 32 intervenções. Voltado, principalmente, para a capacitação de profissionais da área da saúde, da Educação e da Segurança Pública. Não é focado na pessoa em risco de suicídio, mas em quem vai atendê-la.

CineMental – É um dos projetos mais novos da AFAB , começou no segundo semestre de 2016. Ocorre sempre na última quinta-feira de cada mês. Exibe filmes, sempre com a temática da saúde mental e, após, promove um debate entre os participantes.

Grupo de Familiares: ocorre uma vez por mês e acolhe famílias de pessoas com sofrimentos psíquicos.

 

  A Associação de Familiares, Amigos e Bipolares (AFAB) completou 20 anos no dia 28 de maio de 2017. Para comemorar a data, a Unidade de Comunicação do hospital propôs a gravação de depoimentos com pessoas envolvidas desde a criação da associação até usuários e servidores que, atualmente, prestam atendimento ao público. Dessa parceria nasceu o projeto AFAB 20 anos em 20 relatos. Nessa série de pequenos vídeos - ora gravados com a câmera fotográfica da Unidade de Comunicação, ora feitos com auxílio do celular e enviados por colaboradores - você confere a trajetória da AFAB nessas duas décadas de atuação junto aos usuários de saúde mental de Santa Maria (RS) e região. A produção, gravação e edição dos vídeos foram feitas pelo acadêmico do Curso de Jornalismo da UFSM, Vitor Rodrigues, durante estágio acadêmico.

Imagens: