Notícias Notícias

Voltar

HUSM reforça pedido de habilitação da Psiquiatria e do Centro de Reabilitação em visita feita pelo Ministério da Saúde

a espera de habilitações

HUSM reforça pedido de habilitação da Psiquiatria e do Centro de Reabilitação em visita feita pelo Ministério da Saúde

 

 

Na manhã de quinta-feira, representante do Ministério da Saúde realizou uma visita técnica ao Hospital Universitário de Santa Maria (HUSM). Simone Garcia de Araújo, do Departamento de Atenção Especializada, estava acompanhada  da secretária de Saúde de Santa Maria, Liliane Mello e assessoria. O grupo visitou a Unidade de Reabilitação, sediada no Ambulatório de fisioterapia onde são feitos atendimentos do Centro Integrado de Atendimento às Vítimas de Acidente (CIAVA) – criado em 2013, logo após a tragédia da Boate Kiss – e, atualmente, um serviço de expressão nacional, atuante dentro e fora do país. Somente no ano passado, a Unidade de Reabilitação realizou mais de 100 mil atendimentos a pacientes com deficiência intelectual, física e auditiva.

O encontro contou com a presença da gerente de Atenção à Saúde do HUSM, Soeli Guerra,  do chefe da Divisão Médica, Larry Argenta, da coordenadora do CIAVA, Marisa Bastos Pereira, e da Assistente Social Iaçana Câmara Martins.

Além de conhecer as atividades do CIAVA a visita técnica teve por objetivo analisar e discutir  habilitações do HUSM pendentes no Ministério da Saúde (MS). Soeli explicou que para conquistar a habilitação, há normativas a serem seguidas. Somente após cumprir tais exigências do MS, o hospital pôde solicitar o reconhecimento. Contudo, a aprovação do pedido segue um trâmite burocrático e demorado.

- Temos algumas habilitações pendentes, como é o caso da emergência, referência em doenças raras e atenção psicossocial. Além de demorado, muitas vezes o processo de habilitação é interrompido por mudanças na legislação enquanto tramita. Um exemplo foi a da gestação de alto risco, que demorou mais de 20 anos para ser reconhecida, embora na prática o hospital ofertasse o atendimento especializado. Assim é com a saúde mental. Temos uma unidade específica com 30 leitos e não temos habilitação para isso. Esse é um dos pleitos, junto com um centro de referência em reabilitação e outras já citadas – afirmou a gerente.

A habilitação dos seus serviços se transformou em meta institucional. Isso porque somente a habilitação irá garantir os recursos financeiros para manter a Psiquiatria, a Unidade de Reabilitação e as demais atividades que dependem deste reconhecimento funcionando, sem risco de se tornarem inviáveis.

- Sem habilitação, não temos o reconhecimento financeiro. Sem financiamento, a gente coloca em risco o funcionamento dos serviços e a própria saúde financeira do hospital – lamenta Soeli.

Ao HUSM só resta aguardar do Governo Federal o reconhecimento pelo trabalho prestado. Para sensibilizá-lo, apresentou durante a reunião indicadores, como números de atendimentos, área de abrangência dos serviços, além de mostrar como estão organizados, e qual a demanda em cada um deles.