Notícias Notícias

Voltar

Complexo Hospitalar investe 2,5 vezes mais em equipamentos médicos

TECNOLOGIA EM SAÚDE

Complexo Hospitalar investe 2,5 vezes mais em equipamentos médicos

No ano de 2017 foi investido o total de R$ 6.368.839,24 para a aquisição de 309 equipamentos médicos destinados para uso no Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC) e na Maternidade-Escola Assis Chateaubriand (MEAC), que compõem o Complexo Hospitalar da UFC/Ebserh. Desse valor total, R$ 3.395.644,65 foram destinados para a aquisição de 137 equipamentos que serão utilizados no HUWC e R$ 2.973.194,59 para aquisição de 172 equipamentos que serão utilizados na MEAC. 

A cifra representa aproximadamente 2,5 vezes o valor investido no ano anterior. “Essas aquisições têm o objetivo de modernizar o parque tecnológico dos hospitais do complexo, bem como permitir a ampliação dos novos serviços. Fazem parte do planejamento de aquisições de equipamentos elaborado em 2017 em conjunto com as áreas assistenciais e gestores das instituições”, explica Eduardo Frota, chefe da Unidade de Engenharia Clínica da MEAC.  

O engenheiro Fábio Leal, chefe da Unidade de Engenharia Clínica do HUWC, complementa: “Além disso, visa atender às normas vigentes e garantir a disponibilidade de equipamentos, evitando interrupção da assistência aos pacientes”. Segundo ele, as aquisições foram possíveis graças à elaboração do planejamento e liberação de recursos do Rehuf, “estes, em valores muito mais significativos que nos anos anteriores”, disse.  

                                                     

 

Parte dos equipamentos já está instalada e em funcionamento, otimizando o trabalho dos profissionais da assistência. Das aquisições realizadas em 2017 para o HUWC, destacam-se: Foco cirúrgico de LED para o Centro Cirúrgico, arco cirúrgico para o Centro Cirúrgico (permitindo o uso do equipamento em duas especialidades cirúrgicas simultaneamente, já que 1 equipamento não tem atendido 100% da demanda, além de servir como equipamento de backup para uma eventual parada do único arco cirúrgico existente), monitores multiparamétricos juntamente com a central de monitorização (que permitem a monitorização de pacientes em pontos cegos dentro da UTI). Além disso, será atendida grande parte da demanda de monitores multiparamétricos para os setores do HUWC. O hospital contará também com ecocardiógrafo portátil para a Cardiologia, garantindo a disponibilidade do equipamento.

Já para a MEAC, destacam-se: Foco cirúrgico de LED para o Centro Cirúrgico, medidor de icterícia transcutâneo não invasivo (que realiza a medição dos níveis de bilirrubina sem a necessidade de coleta de sangue), esterilizador por peróxido de hidrogênio para a CME (que permite a esterilização a baixa temperatura de materiais que são sensíveis ao calor); oxímetros de pulso para a UCINCo e monitores multiparamétricos para a UTIN, garantindo a disponibilidade de equipamentos para monitorização dos pacientes internados. Também vale ressaltar a aquisição de bombas de infusão de seringa, de eletrocardiógrafos e de um ecocardiógrafo portátil (tipo laptop) com dimensões apropriadas para uso na UTIN durante a realização de exames de ultrassom em pacientes internados. Além dos equipamentos adquiridos para a MEAC, houve a aquisição de eletroencefalógrafo portátil (no valor de R$ 24.028,50) para o HUWC que estará à disposição para atender às necessidades de exames na MEAC.

Os impactos na assistência têm sido bastante positivos. A chefe da Unidade de Cirurgia, RPA e CME da MEAC, enfermeira Luciana Oliveira, já percebe mais conforto térmico para a equipe cirúrgica, maior segurança do paciente e retorno rápido do material esterilizado aos setores. “É uma importante melhoria no parque tecnológico do bloco cirúrgico”, finalizou. No HUWC, o médico neurologista Manoel Sobreira comemora a aquisição do eletroencefalógrafo: “É um equipamento importante que veio atender uma necessidade do hospital. Portátil, pode se deslocar até onde o paciente mais grave está e também é versátil no setor de neurofisiologia clínica”, afirmou. Boa notícia também para a Unidade de Reabilitação. A fonoaudióloga Alexandra Bezerra, do HUWC, destacou a chegada do audiômetro e do impedanciômetro. “Assim é possível realizar mais exames auditivos e avaliações auditivas, tanto dos pacientes do ambulatório como dos pacientes encaminhados”, comentou.

Imagens: