Museu do Parto Museu do Parto

Museu do Parto

Museu do Parto

O Museu do Parto, localizado na Maternidade Escola Assis Chateaubriand (MEAC), foi criado em homenagem ao falecido professor José Galba Araújo, que tanto lutou pela melhoria da qualidade da assistência obstétrica. O museu contém curiosas e interessantes peças de elevado valor antropológico que ilustram o modo como eram realizados os partos em diferentes regiões do interior do Ceará. O “Sofredouro”, por exemplo, acomodava as gestantes durante o período de dilatação, e, durante o período expulsivo, uma corda era amarrada a uma das quinas para permitir à parturiente assumir uma posição mais inclinada.

Pode-se conhecer ainda a vértebra de uma baleia que encalhou em Cumbuco e que passou a ser usada pelas gestantes da cidade como banco de parto, pois elas acreditavam que a criança que ali nascesse seria agraciada com um futuro repleto de sorte. Estão expostas também a cama obstétrica desenvolvida pelo próprio professor Galba e algumas ferramentas obstétricas ainda hoje utilizadas, como os fórcepes de Piper e de Simpson.

 

O Museu é aberto fica aberto de segunda a sexta-feira (das 12h às 14h) e quinta-feira (das 8h às 11h) para visitação pública, período durante o qual pacientes, acompanhantes, visitantes e os próprios funcionários da maternidade poderam conhecer um pouco mais sobre a vida e trabalho do professor Galba, bem como ver de perto as curiosas peças e suas respectivas histórias.

 

                                                                           

José Galba Araújo
 

Nascido em Sobral e formado em medicina pela Universidade Federal da Bahia, Galba Araújo especializou-se em Ginecologia e Obstetrícia em Michigan, Estados Unidos. Dotado de forte espírito de liderança, assumiu a direção da Maternidade Escola Assis Chateubriand(MEAC) de 1964 a 1985, sendo convidado à presidência de várias associações médicas, como a Sociedade Cearense de Ginecologia e Obstetrícia.

Sempre voltado para a medicina social, propôs, além da humanização do parto, uma atenção à saúde descentralizada e hierarquizada, melhorando o atendimento à população. O Ministério da Saúde, em reconhecimento e homenagem ao seu trabalho, criou o Prêmio Galba Araújo, concedido às melhores unidades de atendimento obstétrico e neonatal. 

Parto Humanizado

O parto humanizado valoriza a participação ativa da gestante durante o parto, respeitando a individualidade de cada parturiente. Várias condutas buscam promover um parto mais saudável, reduzindo os riscos à saúde da mãe e do neonato, como o aleitamento logo após o nascimento e o estímulo à adoção da posição vertical no período expulsivo, facilitando a saída da criança pelo canal vaginal e reduzindo os danos ao organismo materno. Essas medidas também tendem a naturalizar o parto o máximo possível, minimizando a intervenção médica e evitando técnicas desnecessárias. O processo de humanização também defende a presença de um acompanhante durante o parto, contribuindo para o fortalecimento dos laços familiares, criando, assim, um ambiente mais aconchegante para a chegada do novo ser.

O Museu fica aberto de segunda a sexta (de 14h às 16h) e quinta (de 8h às 11h).

Saiba mais sobre o Museu do Parto:

- Página no Facebook

- Blog Museu do Parto