Notícias Notícias

Voltar

Obras que ampliam UTIs vão dobrar capacidade de atendimento

Universidade Federal do Ceará

Obras que ampliam UTIs vão dobrar capacidade de atendimento

Durante visita ao Complexo, presidente da Ebserh definiu as ações nas UTIs como prioritárias

A Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), vinculada ao Ministério da Educação (MEC), vai direcionar esforços para a conclusão das obras de ampliação das UTIs do Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC) e da Maternidade-Escola Assis Chateaubriand (MEAC), ambos no Ceará, além da reforma de 40 leitos de enfermaria no HUWC. A prioridade foi definida com a governança do Complexo Hospitalar, em visita realizada nesse sábado, 11 de fevereiro, pelo presidente da Ebserh, Kléber Morais.

Quando concluída a reforma da UTI neonatal da MEAC, a Unidade de Neonatologia vai praticamente dobrar sua capacidade de atendimento. Atualmente, são 56 leitos, sendo 21 nas unidades de alto risco e 35 nas de médio risco. Após a finalização da obra, serão 30 na de alto risco e 72 nas de médio risco. “Essa maternidade tem um papel fundamental na assistência a diversos municípios do Ceará”, destacou o presidente. 

No HUWC, a força-tarefa será para priorizar a liberação de 50 leitos das enfermarias cirúrgicas, cuja reforma precisa ser concluída. O hospital vai providenciar todas as informações referentes ao custo e materiais para a finalização o mais rapidamente possível. A Ebserh Iniciará a articulação política com os Ministérios da Saúde (MS) e da Educação (MEC) para a conclusão também da UTI de 40 leitos. Com a ativação destas 90 vagas de internação, o HUWC passará a contar com 287 leitos ativos. “Com essa ampliação, teremos uma das maiores e mais bem equipadas UTIs do Brasil aqui no Ceará”, ressaltou Kléber Morais.

Além do presidente, estiveram presentes superintendentes de outras cinco unidades: Stênio Silveira, do Hospital Universitário Onofre Lopes (RN); Sônia Barreto, da Maternidade-Escola Januário Cicco (RN); Cláudia Rubim, do Hospital Universitário Ana Bezerra (RN); Arnaldo Medeiros, do Hospital Universitário Lauro Wanderley (PB) e Mônica Paulino, do Hospital Universitário Júlio Bandeira (PB). Na ocasião, o grupo participou de uma reunião para, em seguida, visitar os dois hospitais.

O presidente destacou que, nesse momento em que a Ebserh está implementando o sistema de rede, a visita de superintendentes a outras unidades de saúde é uma iniciativa muito positiva. “Traz a possibilidade da convivência, de um ver o que existe no hospital do outro, favorecendo que cooperem mutuamente de imediato, por exemplo, na troca de insumos e na transferência de pacientes, bem como ajudar com sua expertise para a formação das equipes de outros hospitais” explicou.

Cada superintendente pode avaliar as condições do Complexo e trocar experiências que serão importantes na gestão de cada uma das unidades. Para o médico Stênio Silveira, o que mais me chamou sua atenção foi a estrutura da UTI que está sendo ampliada. “Quando estiver pronta, vai ser de grande valia para a população do Ceará. Vamos criar um esforço conjunto os hospitais da rede para colocar essa UTI para funcionar. A entrada da Ebserh fortaleceu muito este espírito de rede dos HUs”. Já Mônica Paulino disse que sai de Fortaleza muito inspirada para a implantação da Maternidade no hospital em Cajazeiras. “Primeiramente, pela disponibilidade da gestão da MEAC, que está investindo numa equipe multidisciplinar. O que se percebe nitidamente é como se pensa no atendimento ao usuário de uma forma geral. Principalmente a presença do acompanhante masculino nas enfermarias 24 horas. O avanço significativo da instituição depois da entrada da Ebserh também me chamou muito a atenção”, declarou.

Para a superintendente Claúdia Rubim, o que mais marcou foi o processo de maturidade nas questões assistenciais da MEAC. “Apesar da dificuldade de estrutura física, a instituição consegue trabalhar muito bem os processos no que diz respeito à qualidade assistencial. Percebi que há organização, a equipe é motivada, e isso traz uma boa referência.”. “Na minha visita à MEAC, me chamou a atenção a estrutura física, pois, apesar de antiga, tudo funciona. Gostei muito de ver o Gestão à Vista, para que as pessoas que circulam dentro do hospital tenham essa informação de como ele funciona. A gente pôde ver que existe uma integração muito grande entre os profissionais e que é um hospital que é muito bem avaliado pela população”, afirmou a médica Sônia Barreto.

Arnaldo Medeiros disse que a visita com o presidente consolida o que ele entende ser um dos maiores benefícios que a gestão da Ebserh trouxe aos HUs: a percepção de rede. “Hoje os hospitais universitários não são mais isolados. Os problemas são semelhantes em todas as regiões do país. Juntos, a gente consegue pensar em soluções mais sustentáveis. Fiquei bastante impressionado com a quantidade de serviços prestados pelo HUWC à comunidade, a evolução nas internações, nas cirurgias, na assistência hospitalar como um todo nestes últimos três anos”, concluiu.

O superintendente do Complexo Hospitalar da UFC, o médico Luciano Moreira, reiterou a importância da visita do presidente da Ebserh e dos gestores dos hospitais, “uma vez que tais profissionais puderam, por um lado, checar ‘in loco’ os progressos obtidos com a infraestrutura e, por outro, discutir sobre os melhores caminhos a serem seguidos a partir de agora”.